Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
02
Jan
12

 

Durante os séculos XII e XIII, a Europa conheceu as invasões dos chamados mongóis. Entre os povos que se agrupavam sob essa denominação estavam os tártaros, tribos nómadas de guerreiros que habitavam as estepes russas. Os tártaros introduziram na Europa a técnica de moer a carne dura e de má qualidade para torná-la mais digerível. Diz a lenda que os cavaleiros tártaros costumavam levar a carne crua debaixo da sela quando galopavam nas suas incursões guerreiras. Na hora de comer, o bife tártaro já se tinha tornado numa pasta.

 

Confesso que a primeira vez que comemos bife tártaro ( eu e o meu marido ainda muito jovens), num restaurante excelente, que servia comida internacional e que, infelizmente, já não existe, pedimos um bife na expectativa de saciar a fome com um pedaço de carne de lombo de novilho, num molho qualquer, a que chamavam tártaro.

Imaginem a nossa cara de espanto e incredibilidade quando nos apresentaram um pedaço de carne picada e crua.

Não demos porém parte de fracos e comemos o dito com um ar agoniado. Jurámos para nunca mais!

Não obstante a nossa negação inicial, passada uma semana voltámos ao mesmo restaurante e o que pedimos?

Bife Tártaro!!!

Havíamos passado a semana a aprender a gostar do paladar. E acreditem, em começando a gostar, nunca mais nos esquecemos do sabor. Tal como o anúncio de uma água tónica qualquer, a máxima de “primeiro estranha-se, depois entranha-se” não podia ser melhor aplicada.

Por isso tudo foi um prato que se tornou habitual na nossa mesa de ano novo. Os meus filhos deliciam-se.

 

Experimentem e estou certa que dar-me-ão razão.

 

 

O que preparar:

 

  1. 120 a 150g de carne de vaca, picada sem qualquer gordura;
  2. 1 gema de ovo;
  3. 1 colher de chá de alcaparras picadas;
  4. 1 colher de chá de gema de ovo cozida, picada;
  5. 1 colher de chá de beterraba cozida, picada;
  6. 1 colher de chá de cebola picada;
  7. 1 colher de chá de salsa picada;
  8. 1 colher de sopa de vinho do porto;
  9. 1 colher de chá de mostarda;
  10. 5 gotas de tabasco;
  11. 1 colher de sopa de brandy;
  12. 5 gotas de molho inglês;
  13. Sal e pimenta a gosto.

 

Como preparar:

 

Fazer um disco com a carne com uma concavidade central. Colocar nessa concavidade a gema de ovo. Em volta, dispor em montinhos os ingredientes sólidos – alcaparras, gema de ovo cozida, beterraba, cebola e salsa.

Deitar numa taça a carne e a gema de ovo e temperar com sal e pimenta. Esmagar com um garvo na mão direita e ir ajudando com uma colher na mão esquerda.

Ir deitando os ingredientes sólidos, um a um, mexendo e esmagando em cada adição.

Deitar depois os ingredientes líquidos, também um a um, mexendo em cada adição.

Rectificar os temperos, e colocar num prato de servir, ajeitando com o garfo de molde a ficar com boa apresentação.

Servir acompanhado de batatas fritas e legumes cozidos, servidos num prato à parte.

 

Apresento a receita para um bife individual. Mesmo que se tenha de fazer vários bifes, como foi o meu caso, convém fazer um de cada vez para controlar melhor os temperos. Não custa nada; até é terapêutico.

 

Mão à obra. 

 

 

 

 

 

 

publicado por Maria às 08:00
Contador
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
últ. comentários
pois ! No meu tempo (43/51, chumbei um ano), bat...
Ficou lindo, foi a minha inspiração para o almoço ...
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
maravilha
maravilha
Top blogs de receitas
blogs SAPO