Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
subscrever feeds
Posts mais comentados
31
Jan
12

Aprecio bastante a gastronomia algarvia. Conheço um restaurante em Faro, a Taska, que serve comida tipicamente algarvia como arroz de lingueirão, xarém de conquilhas rico e pobre, raia alhada ( o meu filho mais velho adora), entre outros. Servem também entradas deliciosas como muxama de atum, que a primeira vez que a comi meti na boca como se de presunto se tratasse,:)  biqueirão alimado e anxovado, etc, etc, etc.

 

Um dos pratos que também servem são as sardinhas albardadas com arroz de coentros que já reproduzi em casa várias vezes sempre com algum sucesso.

 

É  um prato muito económico e fácil de preparar como poderão constatar. Senão, vejamos:

 

O que preparar: ( para 4 doses)

 

  1. 8 a 10 sardinhas médias;
  2. 1 limão;
  3. Farinha e ovo batido para panar as sardinhas;
  4. 1 cebola;
  5. 0,5dl de azeite;
  6. 1 dente de alho;
  7. 1 ramo de coentros;
  8. 2 chávenas de arroz carolino;
  9. 4 chávenas de água;
  10. Sal e pimenta a gosto;
  11. Óleo vegetal para fritar as sardinhas.

 

Como preparar:

 

Cortar a cabeça e cauda às sardinhas e retirar-lhes as escamas com os dedos para não as amassar. Com uma faquinha afiada, abri-las longitudinalmente pela “barriga” e retirar-lhes as tripas e a espinha central. É importante que a faca esteja afiada pois assim, este trabalho faz-se facilmente. Temperar o peixe com sal, pimenta e o sumo do limão. Reservar pelo menos 1 hora para tomarem gosto.

 

Aquecer o óleo numa frigideira, passar as sardinhas, uma a uma, pela farinha e depois pelo ovo e fritá-las.

 

Entretanto, para o arroz, levar a cebola picada e o alho ao lume juntamente com o azeite. Deixar frigir um pouco e juntar de seguida os coentros picados. Deixar, novamente, frigir sem deixar queimar e juntar o arroz. Cerca de 2’ depois, juntar a água e deixar ferver. Quando isso acontecer, temperar de sal, mexer, e deixar ferver em lume alto mais 2’. Mexer novamente, baixar o lume e tapar o tacho. Deixar cozer mais 10’ e apagar o lume. O arroz está pronto.

 

Empratar o arroz, as sardinhas e enfeitar com gomos de limão.

 

Quero só referir que o termo albardado se refere ao acto de envolver o elemento que vai a fritar num polme de farinha, ovo e água. Não faço exactamente assim pois julgo que passando o peixe somente por farinha e ovo, separadamente, nesta caso específico, fica mais agradável.

 

Mãos à obra.

 

 

 

publicado por Maria às 08:00
30
Jan
12

Este prato que hoje apresento é português, pois tem alheira mas nem por isso deixa de ser um prato requintado pela forma como é apresentado. Fi-lo a pensar no meu fifi Picau pois bem sei como ele gosta de alheira. Gosta de tal forma que, por vezes, quando chegava da faculdade, fritava uma alheira com batatas fritas e ovo estrelado para lhe servir de lanche!!! Agora, lá longe, não sei se terá acesso ao seu pitéu favorito mas, fica a promessa que nas próximas férias lhe farei esta receita que ele, certamente, muito apreciará.

 

 

 

O que preparar: ( para 8 doses)

 

  1. 3 alheiras de boa qualidade – eu compro de caça;
  2. 4 placas de massa filo – compro feita;
  3. Ovo batido para pincelar;
  4. Grelos cozidos e salteados em azeite e alho;
  5. 1 ovo estrelado por pessoa.

 

Como preparar:

 

Retirar a pele das alheiras cortando as pontas e dando um golpe longitudinal na parte de fora.

 

Forrar um tabuleiro de forno com papel vegetal. Estender sobre a bancada 2 conjuntos de 2 palcas sobrepostas de massa filo. No meio de cada conjunto, dispor bocados de alheira que servirão de recheio. Enrolar cada conjunto de molde a formar 2 tortas. Atar as extremidades com fios de cebolinho ou, simplesmente dobrá-las como se de um embrulho se tratasse. Pincelar levemente com ovo, só para dar brilho e levar a forno quente (180ºC) cerca de 20’ ou até as tortas ficarem douradas. Retirá-las do forno e parti-las em pedaços com cerca de 7 cm cada. Ficam umas tortas com cerca de 28 a 30cm, muito estaladiças e muito aromáticas. É claro que ficam também muito saborosas.

 

Acompanhar com grelos previamente cozidos em água com sal e depois salteados num pouquinho de azeite e alho picado. Para quem gostar e puder, pode também fazer acompanhar de um ovo estrelado

 

Mãos à obra.

 

publicado por Maria às 08:00
29
Jan
12

Penso que não gostar do famoso Birgadeirão brasileiro é, no mínimo, um crime. Agora imaginem esse mesmo bolo recheado com morangos…

 

Oitava maravilha do mundo! Acreditem.

 

Roubei esta receita daqui,  um blog que descobri há pouco tempo e que tem sugestões fantásticas, apesar de ainda não o ter explorado na totalidade.

 

 

 

O que preparar:

 

  1. 4 ovos
  2. 3 colheres de sopa de margarina
  3. 1 chávena de chá de açúcar
  4. 2 chávenas de chá farinha de trigo
  5. 1 chávena de chá de chocolate em pó
  6. 1 chávena de chá de leite
  7. 1 colher sopa de fermento em pó
  8. 2 chávenas de chá de leite condensado
  9. 4 colheres de sopa de margarina
  10. 6 colheres de chocolate em pó
  11. 200 gramas de morangos picados

 

Como preparar:

 

Para preparar o chocolate em pó, usei uma tablete de chocolate 70% cacau e triturei-a num triturador ( eu usei a Bimby) .

 

Aquecer o forno a 180ºC. untar uma forma com margarina e farinha e reservar. Bater as claras em castelo firme juntando quase no final uma colher de açúcar.

 

Juntar as gemas, o chocolate em pó ( a chávena), a margarina derretida e fria, o açúcar, e bater bem até obter um creme fofo. Juntar o leite e continuar a bater. Juntar a farinha misturada com o fermento e bater bem até formar uma massa homogénea. Juntar por fim as claras em castelo, mexendo delicadamente com uma colher de pau. Verter para a forma e levar ao forno cerca de 40’ ou um pouco mais.

 

Enquanto o bolo coze, deitar num tachinho o leite condensado, as 6 colheres de chocolate em pó e as 4 colheres de margarina. Levar ao lume brando, mexendo sempre, até tudo se misturar e engrossar um pouco ( depois de arrefecer, este creme fica pastoso). Deixar arrefecer o creme e juntar os morangos picados a metade da quantidade, sendo a outra metade para a cobertura. Deixar também alguns morangos inteiros de reserva para a decoração final.

 

Quando o bolo estiver cozido, desenformar, deixar arrefecer e parti-lo em dois discos usando uma linha ou corda fina. – põe-se a corda à volta do bolo e, cruzando as pontas, puxá-las com firmeza em direcções opostas. O bolo assim fica cortado em dois discos com dimensões muito semelhantes.

 

Cobrir o disco inferior com o creme com os morangos e depois voltar a colocar com muito jeitinho, o disco superior.

 

Cobrir o bolo com o restante creme e decorá-lo com morangos inteiros e pepitas de chocolate.

 

Mãos à obra.

 

publicado por Maria às 08:00
28
Jan
12

Prefiro fazer os meus hambúrgers caseiros. Não refuto a ideia de, de vez em quando, comprar daqueles já moldados que se deitam para  cima da chapa quente, trás, trás e pronto, com uma fatia de queijo em cima e estão prontos a serem comidos.

 

Mas, volto ao princípio do meu texto; prefiro fazer os meus hambúrgers, temperá-los, deixá-los tomar gosto e cozinhá-los com um molhinho saboroso.

 

É a sugestão que aqui trago hoje. 

 

O que preparar:

 

  1. 0,5 de carne picada;
  2. ½ pãozinho demolhado em leite;
  3. 1 colher de sobremesa de mostarda;
  4. 1 colher de chá de molho inglês;
  5. ½ cálice de vinho do Porto;
  6. 3 dl de leite;
  7. 1 colher de sobremesa de farinha Maizena;
  8. 50 g de margarina.
Como preparar:

 

Colocar a carne picada numa tigela e temperá-la com todos os ingredientes, exceptuando o leite, a Maizena e a margarina.

 

Deixar a carne tomar gosto pelo menos durante 1 hora.

 

Moldar hamburgers do tamanho desejado, sempre com as mãos molhadas para a carne não se pegar.

 

Levar ao lume, numa frigideira anti-aderente, a margarina, deixando-a alourar.

 

Ir fritando os hamburgers e, à medida que se retiram da frigideira, barrá-los com mostarda, de um só lado.

 

Na gordura onde a carne fritou, deitar o leite misturado com a Maizena. Temperar o molho com pimenta, um pouco mais de molho inglês, mexer com um garfo, e deitar os hamburgers neste molho. Deixar fervilhar um pouco, em lume brando, virando-os para tomarem gosto.

 

Servir com o acompanhamento desejado ou disponível.

 

Mãos à obra.

 

publicado por Maria às 08:00
27
Jan
12

  

"Inspirado no projecto Tuesdays with Dorie, o Dorie às Sextas propõe, duas vezes por mês, receitas do livro Baking, de Dorie Greenspan. 

Junte-se quem vier por bem e por paixão partilhada pela cozinha e pela Dorie.
Não gostamos de grupos com muitas regras nem muitas obrigações. Aqui junta-se quem quiser, cozinha quem quiser e publica quem quiser. Tem mais piada se formos muitos e falarmos sobre o assunto, mas cada um é livre de decidir se o quer ou não fazer.

Regras:
1. Idealmente, os membros terão o livro. Mas como não somos fãs de regras e proibições, poderão não ter.
2. Não há obrigação de fazer e publicar (em facebook ou blog) todas as receitas. Mas quantos mais melhor e quanto mais aberta a discussão melhor.
3. As receitas podem sofrer todas as alterações que o cozinheiro quiser. E encoraja-se a partilha dos casos de sucesso e de fracasso."

 

 

E foi esta mensagem que vi no caos na cozinha. Tive a honra de ser incluida no grupo, apesar de já não ter ido a tempo para a primeira receita. Mas, como vais vale tarde que nunca, aqui vai a minha participação para a segunda receita "Doriena", em três versões: 

 

1. Com Pistáchios

 

 

 

2. Com Presunto e Bacon

 

 

3. Com grãos de milho e Queijo Azul

 

 

 

 

 Base da Massa:

 

O que preparar:

  1. 1 chávena de farinha de trigo;
  2. 1 chávena de farinha de milho;
  3. ¼ de colher de chá de bicabornato de sódio;
  4. 3 colheres de chá de açúcar sendo que a receita original sugere 6 colheres de sopa de açúcar;
  5. 2,5 colher de chá de fermento em pó;
  6. ½ colher de chá de sal;
  7. 1 pitada de noz moscada;
  8. 1 chávena de buttermilk;
  9. 3 colheres de sopa de manteiga sem sal, derretida e fria;
  10. 1 ovo grande;
  11. 1 gema de ovo;
  12. 3 colheres de sopa de óleo de girassol – a receita original sugere  óleo de milho.

Como preparar:

Pré aquecer o forno a 200ºC. Untar formas de muffins.

Numa tigela grande, misturar as farinhas, o açúcar, o fermento, o bicabornato, o sal e a noz moscada.

Noutra tigela  misturar os ingredientes líquidos e depois, deitá-los sobre os sólidos misturando sem bater.

 

Nesta fase, tinha a massa base preparada. Dividi em 3 porções de quantidade idêntica e:

1 – Misturei sementes de pistáchio salgadas, grosseiramente picadas. Verti a massa para 4 formas e decorei cada uma delas com sementes inteiras.

2- Misturei bocadinhos de bacon e presunto que tinha, previamente, picado. Verti para 4 formas.

3- Misturei 3 colheres de milho inteiro, cozido e escorrido, tal como sugere a receita original, e misturei ainda 2 colheres de sopa de queijo azul, previamente desfeito com os dedos. Verti esta massa para as restantes 4 formas.

 

Foram ao forno cerca de 15’, de onde foram retirados e desenformados, com uma cor bem douradinha.

 

Impressões finais:

1 – Pistáchios – saborosos mas algo secos, talvez devido à farinha de milho que confere alguma secura à massa não sendo compensada por qualquer ingrediente, pois os pistáchios são secos.

2- Bacon e Presunto – bastante saborosos, fazendo lembrar aquelas bolas de carne que se tornam viciantes quando começamos a comer.

3- Milho e Queijo Azul – sem dúvida alguma os melhores e os mais elogiados. O milho confere à massa a humidade necessária e o sabor picante do queijo azul dá-lhe um paladar muito característico e muito agradável.

 

Estes muffins acompanharam, entre outras coisas, um barbecue de costoletas de vitela e abacaxi. Fizeram sucesso pois foram degustados ainda quentes e fizeram as vezes das batatas ou arroz.

 

Adorei a minha primeira participação.

Aguardo, ansiosamente, a sugestão seguinte.

publicado por Maria às 08:00
Contador
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
últ. comentários
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
maravilha
maravilha
De facto cavala e sarda não são o mesmo peixe, as ...
Hoje dia 03 de Março de 2015 fui à procura de uma ...
Top blogs de receitas
blogs SAPO