Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
16
19
23
26
28
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
21
Jun
13
A cozinha portuguesa é tão rica e nutritiva que é uma pena por vezes esquecermo-nos das nossa riquezas grastronómicas. A caldeirada de peixe, por exemplo, onde aproveitamos o belo peixe fresco que a nossa costa nos oferece, os tomates, pimentos, batatas novas e ervas assim como o bom azeite que a nossa terra nos presenteia, é um prato tão naturalmente saudável e tão magnificamente saboroso e que muitas vezes é esquecido nos roteiros gastronómicos de Portugal. 
O Paulo Herculano pediu-nos uma receita saudável para concorrermos ao seu desafio comemorativo da 100º postagem. Achei que com um prato tão típico da nossa terra e tão saudável quer pelos ingredientes, quer pelo modo como e confecionado seria uma boa representação do tipo de comida que pede. Aqui está então uma caldeirada de peixe.
O que preparar:
  1. 1 posta de corvina;
  2. 2 postas de salmão;
  3. 6 camarões e algumas ameijoas;
  4. 1/2 pimento;
  5. 1 cebola grande;
  6. 4 tomates grandes e bem maduros;
  7. 6 batatas novas;
  8. 1 ramo generoso de salsa;
  9. 0,5dl de bom azeite;
  10. 4 folhinhas de manjericão;
  11. sal e pimenta a gosto.

Como preparar:

Como certamente repararam eu não utilizo os peixes tradicionais de caldeirada como a raia, cação ou safio pois não aprecio. Em substituição, uso postas de peixe de grande porte. Arranjo-as retiranto a pele e espinhas pois acho muito desagradável comermos caldeirada com peixe com as espinhas.

Assim, arranjar as postas dos peixes de molde a que fiquem sem pele e espinhas. Partir cada posta em 4. Lavar os camarões e retirar-lhes a tripa dorsal que pode ser tóxica. Lavar bem as ameijoas. Descascar a cebola e batatas.Partir a cebola em fatias finas, as batatas em rodelas grossas e os tomates em rodelas grossas também. Partir o pimento em tiras finas.

Num tacho larho, dispor rodelas de cebolas e regar com um pouco de azeite. Colocar rodelas de tomate, rodelas de batata e algusn pedaços de peixe. Temperar com um pouco de sal, pimenta e colocar algumas folhas de salsa e manjericão. Repetir a operaçaõ de sobreposição em camadas de todos os ingredientes terminando com as batatas. Regar com o restante azeite, temperar com mais um pouco de sal e pimenta e levar ao lume, com o tacho tapado. O lume deverá ser muito brando para a caldeirada cozer no vapor dos ingredientes e os sabores se fundirem. Passados 15 minuros, colocar as ameijoas e os camarões e voltar a tapar. Deixar acabar de cozer em lume brando durante cerca de mais 45 minutos. O cheiro que este preparado emana é indescritível mas delicioso.

Servir com fatias de pão saloio torrado.

Esta receita aprendi a fazer,há muito tempo, com o saudoso Chefe Silva.

Mãos à obra.

publicado por Maria às 19:14
20
Jun
13
Assim que vi estes miminhos  na Canela Moída da minha querida amiga Ameixinha decidi o jantar. São excelentes para uma refeição ligeira, saudável e comem-se sem parar, acreditem. Adaptei-as um pouco ao meu gosto e servi-as com uma bela salada de folhas verdes. 
O que preparar:
  1. 0,5Kg de batatas cozidas com pele;
  2. 2 latas de atum de atum conservados em água;
  3. 1 dente de alho, ralado;
  4. 1 ovo  ligeiramente batido;
  5. 2 colheres de sopa de salsa picada;
  6. uma pitada de malagueta em flocos
  7. azeite para untar;
  8. pão ralado com uma casca, de limão ervas aromáticas a gosto sal e pimenta;
  9. sumo de 1/2 limão.

 

Como preparar:

Cozer as batatas em água com um pouco de sal até começarem a ficar moles. Descascar e esmagar depois de cozidas ( eu uso esmagador de batatas).

Juntar o atum bem escorrido ao puré de batata, juntamente com o alho, o ovo batido, a salsa a malagueta e um pouco de sal e pimenta a gosto. Misturar muito bem até formar uma massa uniforme ( usei as mãos).

Com as mãos molhadas tender  bolinhas e passá-las pela mistura de pão ralado. Untá-las com azeite e levá-las ao forno cerca de 15 minutos ou até corarem. Retirá-las do forno e saplicá-las com sumo de limão. Servir com uma boa salada.

Mãos à obra.

 

publicado por Maria às 18:35
18
Jun
13
Gosto imenso de polvo. Cozido, em arroz, em saladas, com molho verde e, também, desta forma, à lagareiro. Apesar de o apreciar bastante sempre tive dificuldade num resultado macio após a cozedura. Já usei todos os truques que possam imaginar mas cheguei à conclusão que tem a ver com o tipo de bicho e não com os malabarismos de o bater antes de entrar na panela, de o congelar antes de o cozer, de deixar cozer um tempo exacto sem mais nem menos um minuto, de o cozer na panela de pressão, eu sei lá!
De qualquer forma, continuo-o a congelar antes de o cozer e tento ficar atenta enquanto coze para controlar a maciez. Acontece que por vezes nunca chega a atingir o ponto desejado mas pronto, vou tentando pois algumas dessas vezes tenho sorte como foi o caso do bichinho de oito tentáculos que vos trago hoje.
O azeite que utilizei é de fabrico artesanal e foi-me gentilmente oferecido pela minha recente mas muito querida amiga Elia Magro. Obrigada amiguinha por esta iguaria.
O que preparar:
  1. 1 polvo com cerca de 1,500Kg;
  2. 6 batatas novas, de tamanho médio;
  3. 1 dl de azeite de boa qualidade;
  4. 4 dentes de alho inteiros;
  5. 1 cebola grande;
  6. salsa, pimenta e sal a gosto.

Como preparar:

Antes de tudo, e como disse em cima, lavar o polvo muito bem e congelá-lo. No dia seguinte cozê-lo com um fio de azeite e um copo de água, até ficar tenro - não juntar sal. Não utilizo a panela de pressao pois a nossa relação não é das melhores.

Lavar muito bem as batatas e, se forem grandes, cortá-las em fatias grossas. Colocá-las num tabuleiro de forno, temperar com sal e um fio de azeite e levar ao forno a 200ºC cerca de 30 minutos. Após esse tempo e se as batatas estiverem macias, colocar por cima o polvo previamente cozido e cortado por forma a terem sido separados os tentáculos. 

Numa panelinha levar ao lume o azeite e os dentes de alho e aquecer bem sem deixar queimar aqueles. Verter por cima das batatas e polvo, polvilhar com salsa e temperer com pimenta.

Levar ao forno cerca de 20 minutos.

Mãos à obra.

publicado por Maria às 19:20
17
Jun
13
Sabem o que mais me atrai nas beringelas? A cor! Fico completamente e extasiada com a tonalidade arrebatadora deste fruto. Quando as vejo à venda trago sempre 2 ou 3 para casa mesmo sem qualquer projecto culinário. 
Quanto a risottos, bem, quanto a esse cremoso, macio e aromático arroz julgo já ter dado provas suficientes da minha ligação incondicional, através de outras publicações.
Juntei os dois e resultou nessa belíssima refeição e conómica, saudável e excepcionalmente saborosa.
O que preparar:
  1. 2 beringelas pquenas ou 1 grande;
  2. 1 cebola;
  3. 2,5 cup de caldo de legumes ou galinha ( usei galinha);
  4. 1 tomate bem maduro;
  5. 1/2 cup de vinho tinto de boa qualidade;
  6. 1 colher de sopa de azeite;
  7. 1,5 cup de arroz carolino;
  8. 2 colheres de sopa de manjericão cortado finamente;
  9. 1/3 de cup de parmesão ralado;
  10. pimenta preta moida na hora;
  11. 1 colher de sopa de manteiga;
  12. 1 casca de queijo parmesão - opcional.

Como preparar:

Colocar o caldo, o vinho e o tomate partido em cubos numa caçarola e levar ao lume médio. Deixar ferver. Picar a cebola e levá-la a fritar no azeite. Deitar o arroz e deixar fritar, sem mexer. Se usar a casca do queijo parmesão, devará juntar nesta altura ao arroz. Ir acrescentando aos poucos a mistura do caldo quente, deixando o arroz absorver o caldo quase na totalidade, por cada adição. Repetir a operação de adição do caldo até o arroz ficar cozido mas firme e cremoso. Quando estiver pronto, juntar o parmesão, o manjericão e a pimenta, bem como a colher de manteiga. Mexer com muito cuidado para não amassar o arroz e deixar descansar cerca de 2 minutos.

Enquanto faz o risotto, deverá lavar as beringelas, cortálas em fatias com casca e besuntá-las com azeite. Levar uma frigideira ou grelhador ao lume forne e grelhar as fatias de beringela até alourarem.

Dispor no prato algumas fatias de beringela e sobre estas deitar uma colher de risotto. Polvilhar com queijo parmesão ralado e servir. É delicioso.

 

O risotto também pode ser feito na Thermomix/Bimby, da seguinte forma:

Colocar no copo a cebola e marcar 5 seg vel 5. Deitar o azeite e marcar 5 min , temp 100ºC, vel 1. Deitar o caldo, o vinho, o tomate, a casca de queijo se usar, o arroz e temperar de sal. Marcar 15 min, temp 100ºC na veloc colher inversa. Ao fim deste tempo, juntar a manteiga, o queijo e a pimenta bem como o manjericão e marcar 1 minuto, temp 100ºC, vel colher inversa. Deixar descansar 2 minutos e servir.

 

Receita adaptada do livro " Cozinha rápida para saborear davagar" da Donna Hay.

 

E com esta receita que muito aprecio participo no desafio do blog The Wild Kitchen que nos pede comidas saudáveis. 

publicado por Maria às 22:10
12
Jun
13
Por ter casado e ter ido viver para outras bandas, as recordações que tenho da casa de minha avó ficaram pelos dezanove anos.
Entrei lá  uma ou duas vezes mais, e desde então, como se lhe tivesse posto um cadeado, faltava-me coragem para rever o cenário de muitas vivências e tempos bem passadas de menina.
Esta tarde, porque quis jantar com ela, desandei a fechadura, mas demorou a arriscar-me para lá da soleira.
Ruina, podridão, bafios maléficos, teias de aranha em filmes de horror, paredes abauladas, telhas partidas, os degraus de madeira meio-desfeitos e  carcomidos, desengonçado o corrimão.
Essa vista de olhos pouco deve ter durado, pois num repente tudo rejuvenesceu, se compôs, voltou ao seu lugar, ganhou vida. O lume ardia em volta das panelas da sopa de feijão e do arroz de tomate, o chão estava encerado com a passadeira florida no meio, a tia punha-me a mesa para eu almoçar, o cão ladrava a dar-me as boas vindas, o tio não tardaria com o saco de amêndoas, um melão sumarento ou umas laranjas com aquele cheiro que eu tanto gostava. A luz vinha das janelas tapadas até meio pelas persianas. Vi-me menina, correndo escada abaixo, a ir ver os coelhos, as galinhas e a nespereira carregada daquelas bolinhas tão doces e sumarentas.
Ouvi uma voz dizer para sairmos dali, não fosse cair algum barrote, e então, mal acordada, fui às arrecuas, despedi-me do sonho, repus o cadeado nas memórias da minha infância.
Spaghetti com Alho, Azeite e Abacate:
O que preparar:
  1. 4 colheres de sopa de azeite;
  2. 2 dentes de alho picados;
  3. 1 baga de piri piri seco, picado;
  4. 1 abacate maduro mas firme;
  5. sumo de 1/2 limão;
  6. 250g de spaghetti;
  7. parmesão ralado a hora a gosto;
  8. pimenta preta moida na hora, a gosto;
  9. sal a gosto.

Como preparar:

Levar os dentes de alho a fritar no azeite, deixando libertar os odores mas sem deixar queimar. Adicionar o piri priri e deixar mais unas segundos ao lume retirando de seguida. Descascar o abacate, descartando a casca e o caroço. Partir em bocados grosseiros e regar com o sumo do limão, temperar com sal e pimenta. 

Entretanto cozer a massa em bastante água temperada com sal. Deitar o azeite sobre o abacate e mexer com cuidado. Deitar o preparado sobre o spaghetti cozido e levar ao lume uns segundos para absorver os sabores. Deitar um pouco de água da cozedura da massa, se necessário. Servir de imediato com bastante parmesão ralado e pimenta preta moída. Uma delicia.

Esta receita foi retirada de um livro que adoro da Tessa Kiros, Recipes and Dreams.

E com este jantar que servi à minha avó, em sua casa, venho participar na  13ª edição do convidei para jantar, cuja mentora é a Anasbageri e que este mês decorre em casa do Pão de Cereais

publicado por Maria às 19:17
Contador
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
16
19
23
26
28
30
últ. comentários
No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fritas sã...
 No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fri...
Minha avó, que cresceu em Mogadouro, muitas vezes ...
pois ! No meu tempo (43/51, chumbei um ano), bat...
Ficou lindo, foi a minha inspiração para o almoço ...
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
Top blogs de receitas
blogs SAPO