Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
subscrever feeds
Posts mais comentados
16
Fev
13
O Cinco Quartos de Laranja faz 7 anos. Para celebrar o aniversário, a Laranjinha convida todos os seus seguidores a participarem num desafio que consiste em publicar umas das suas 1400 receitas publicadas no blog.
Porque este desafio é feito em parceria com a Nescafé Dolce Gosto, optei por uma sobremesa cujo um dos ingredientes é o café.
Estreei-me no mundo das panna cottas e foi uma estreia brilhante. Esta que levo ao desafio e criada pela Laranjinha é, simplesmente, deliciosa.
Parabéns e muito obrigada pelo fantástico trabalho com que nos presenteaste ao longo destes 7 anos. Que o futuro te sorria, sempre, sempre, Laranjinha {#emotions_dlg.sol}
O que preparar:
  1. 2 dl de leite;
  2. 2 dl de natas;
  3. 3 colheres de sopa de açúcar;
  4. 200g de chocolate ( eu usei 52% cacau);
  5. 5 colheres de sopa de café expresso;
  6. 2 folhas de galatina.

Como preparar:

Hidratar as folhas de gelatina, colocando-as numa taça cobertas de água, durante cerca de 5´. Levar ao lume o leite, as natas e o açúcar. Quando começar a ferver, juntar o café e as folhas de gelatina, bem espermidas. Mexer bem e retirar do lume. Juntar o chocolate partido em pedaços pequenos e mexer bem com uma vara até se dissolver por completo e ficar uma mistura homogénea. Deitar em tacinhas e levar ao frigorífico durante cerca de 3 a 4 horas.

 Notas - Confesso que não sou grande apreciadora de sobremesas com café, apesar de não dispensar um bom café e sem açúcar. Porém, nesta panna cotta, o leve travo que se faz sentir do café dá-lhe um toque delicioso e faz toda a diferença, acreditem.

Mãos à obra.

publicado por Maria às 14:14
05
Jan
13
Apesar de nao ser apreciadora de bolo de bolacha, tenho ca em casa uns monstrinhos a quem este bolo faz as delicias. Nao costumo ser muito bem sucedida com a montagem pois, apesar de saboroso, dizem os monstrinhos, sai sempre um pouco escangalhado pois nao consigo evitar que as bolachas embebidas em cafe quente, derretam o creme de manteiga. Evito assim faze-lo pois acabo sempre irritadissima.
Assim, imaginem quao feliz fiquei quando vi esta receita que hoje trago, no espaco que sigo e que muito gosto, As Receitas la de Casa.
Experimentei e foi um sucesso. A confeccao e rapida, simples, e o sabor e muito identico ao bolo de bolacha. So que em forma de bolinhas :)
O que preparar:
  1. 2 pacotes de bolacha Maria;
  2. 100g de manteiga;
  3. 1 ovo;
  4. 1 chavena de cafe forte;
  5. 200g de acucar;
  6. acucar e amendoa moida para envolver ( esta e opcional).

Como preparar:

Num processador de alimento qualquer ( eu usei a Bimby) colocar as bolachas e triturar ate ficarem em areia ( na Bimby basta 8" a velocidade 9).

Juntar todos os ingredientes, excepto o ovo e ligar o processador ate o po das bolachas envolver os ingredientes adicionados ( na Bimby 10'' velocidade 3). Juntar o ovo e e ligar o processador durante cerca de 1' a velocidade media ( na Bimby 1' velocidade 4).

Tender bolinhas do tamanhos de nozes e envolver numa mistura de acucar e amendoa ralada.

Sevir a acompanhar um cafe ou como sobremesa acompanhadas de uma bola de sorvete.

Maos a obra.

publicado por Maria às 19:31
09
Abr
12

 

Tinha acabado de chegar do Saara, onde se despenhara no hidro-avião que havia sequestrado com o seu amigo TinTim, depois de terem fugido num bote salva vidas do navio que comandava, por este ter sido tomado por uma quadrilha de traficantes de ópio.

 

“Chimpanzés”, “ectoplasmas” e outros impropérios saíam da sua boca enquanto me entrava pela porta dentro.

 

Ao ver a minha cara de espanto, justificou a sua irritação pelo facto de ter encontrado um grupo de beduínos, em pleno deserto que o haviam levado a tal exaltação.

 

Tinha vindo só porque eu lhe pedira muito mas, a visita seria breve, pois teria de partir para outra aventura com o seu amigo TinTim; este esperava-o.

 

Por isso, só poderia tomar uma bebida e que não fosse alcoólica pois agora pertencia aos “alcoólicos anónimos” e não tocava numa pinga de álcool há horas.

 

- Maria, uma bebida onde o álcool não se faça sentir – pedira.

 

Quis servir-lhe um sumo de laranja. Declinou a oferta.

 

- Um chá? Uma Cola? Uma limonada?

 

A resposta negativa repetia-se.

 

- Maria, quem pensas que sou? – dizia – algum marinheiro da água doce? Já que me fizeste vir aqui, serve-me uma bebida digna de um velho lobo do mar, se fazes o favor! Não me sirvas bebidas infectas, horríveis, abomináveis#<*+

 

Servi-lhe um Irish Coffee. Bebeu num trago só.

 

- Com mil milhões de macacos!!! – exclamou – Maria, eu pedi uma bebida onde o álcool não se fizesse sentir, não pedi uma amostra de bebida!!!

 

Servi-lhe outro Irish Coffee. E outro. E outro.

 

O telefone tocou.

 

- Ic, ic, Tin Tim és tu? Sim, vou-me já embora. Com mil raios e trovões, bêbedo eu??? Mas como???  Eu só bebi uma mistela de café com um creme branco que a Maria me obrigou a tomar!!! É claro que por delicadeza aceitei e tive de repetir para ela julgar que gostei, mas na verdade é um extracto de lixívia. Sim, sim, vou já sair. Até já.

 

Desligando o telefone, com o nariz vermelho e umas rosetas nas faces, piscou-me o olho e pediu com uma expressão marota:

 

- Serves-me mais um para despedida? Desculpa, tive de dizer ao Tin Tim que não gostava pois ele massacrar-me-ia se adivinhasse o quanto apreciei esse cafezinho pois diria que sou um abusador em me ter aproveitado da tua hospitalidade. Mas na verdade, foi a melhor bebida da minha vida .

 

Lá lhe servir outro Irish Coffee que bebeu com uma expressaõ de prazer espelhado na face, apesar de estar quase a ferver.

 

Raios e coriscos, isto é mesmo bom.

 

E saiu, tal como havia entrado. Num rompante, a praguejar por o telefone estar a tocar novamente.

 

- Ic TinTim? Ic, ic sim?ic já estou a sair ic. Bêbedo eu? Ic eu já não te disse….


 

E foi a minha oportunidade de conhecer uma das personagens que mais engraçadas da banda desenhada: o Capitão Haddok, famoso marinheiro das aventuras do TinTim, característico pelos seus praguejares, alcoólico inveterado, mas que pertence aos "alcoólicos anónimos"!!!

Diz que, actualmente é  abstémio mas não perde a oportunidade de beber o seu adorado whisky sempre que pode. De preferência dissimulado como o que lhe servi, para ninguém perceber. 

E, apesar do capitão e velho lobo do mar que ter baptizado de extracto de lixívia, deixo aqui a receita da bebida que lhe servi pois parece que, afinal, a apreciou bastante. ;)

 

O que preparar:

 

  1. 2 chávenas de café expresso bem quente;
  2. ½ chávena de whisky de boa qualidade;
  3. 2 colheres de açúcar;
  4. 3 colheres de sopa de natas frescas batidas.

 

Como preparar:

 

Deitar no fundo de um copo o açúcar e o whisky e mexer bem. Bater as natas com umas gotas de limão até ficarem firmes mas cremosas. Levar ao frigorífico para refrescarem bem, durante cerca de 10’.

 

Deitar o café bem quente sobre o whisky açucarado e por cima verter as natas bem frias. Servir de imediato.

 

E é com esta visita insólita que participo no projecto da Ana -Convidei para Jantarcuja a anfitriã deste mês é a Su com o tema " Personagens de Banda Desenhada que nos Marcaram a Infância".

publicado por Maria às 08:00
Contador
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
últ. comentários
Ficou lindo, foi a minha inspiração para o almoço ...
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
maravilha
maravilha
De facto cavala e sarda não são o mesmo peixe, as ...
Top blogs de receitas
blogs SAPO