Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
subscrever feeds
Posts mais comentados
20
Abr
12

Mais uma receita da Dorie que não em modifiquei nada, excepto na cidra, que me desculpem os apreciadores, acho um horror. É certo que seria para inserir numa série de sabores mas usei a minha máxima de não utilizar bebidas em comida que eu não bebesse. Portanto, e seguindo esta linha de pensamento, fiz uma polpa de maçã na Bimby que substituiu a cidra. De resto, tudo igual pois queria mesmo experimentar estes scones da Dorie.

 

Ficaram tão bons e fofos que me transportaram para a minha infância e vi-me novamente a ler os livros da Enid Blyton “ the famous five”, que me embebiam nas suas aventuras e, principalmente, nos seus pequenos almoços fartos, onde não faltava a laranjada ( adoro este nome), ameixas frescas, empadões e scones ( outro nome que sempre adorei).

 

Mais que não fora só pelas memórias que vieram à tona, esta experiência valeu a pena.

 

 

 

O que preparar:

 

  • 1 ovo grande;
  • ½ cupde bu ttermilk frio ( leite gordo com 2 colheres de sumo de limão, depois de ter repousado 20’);
  • 1/4 cup de sumo de maçã ( triturei meia mação com 3 colheres de sopa de água, na Bimby);
  • 1 3/4 cup de farinha;
  • 1/3 cup de farinha de milho, preferencialmente grosseira;
  • 2 colheres sopa de açúcar;
  • 1 colher sopa de fermento químico;
  • 1/4 colher chá de bicarbonato de sódio;
  • 1/4 colher chá de sal;
  • 113g de manteiga sem sal, fria, cortada em pedaços pequenos;
  • 3/4 cup de cheddar ralado;
  • 1/2 cup de maçã seca, em pedacinhos pequenos ;

 

Como preparar:

Pré-aquecer o forno a 200ºC. Forrar um tabuleiro de forno com papel vegetal .

 

Misturar o ovo com o buttermilk e o sumo de maçã. Reservar.

 

Com um batedor de varas, misture a farinha, farinha de milho, açúcar, fermento, bicarbonato e sal. Acrescentar a manteiga e, com os dedos, cubra os cubos de manteiga de farinha. Com as pontas dos dedos  misturar  a manteiga nos ingredientes secos, até que pareça migalhas. Não misturar demasiado e ter em atenção o calor das mãos.

 

Acrescentar os ingredientes líquidos aos secos e misturar com as mãos, até que a massa (que vai estar muito molhada e pegajosa) fique coesa. Se ainda tiver ingredientes secos no fundo da tigela, continuar a misturar, mas não amassar em exagero a mistura. Acrescentar o queijo e a maçã e envolver levemente.

 

Ainda na tigela, amassar (como se fosse pão) levemente, com a mão umas 8 a 10 vezes. Depois, e como a massa é muito pegajosa, virá-la para uma superfície levemente enfarinhada com farinha de milho pois esta farinha ajuda mais a que a massa nãopeque, achatá-la num rectângulo de 1,5cm de altura e, com uma forminha cortar em pedaçosiguais. Colocá-los no tabuleiro previamente preparado.(nesta fase, os scones podem ser congelados e, quando estiverem duros, guardados em sacos hermeticamente fechados; não descongelar antes de assar, acrescentando 2 minutos ao tempo de cozedura)

 

Levar o tabuleiro ao forno durante 20-22 minutos ou até que os scones estejam dourados e quase firmes. Transferi-los para uma grade e deixe-los amornar. Servir morninhos com manteiga e/ou compota.

 

 

 

Desidratei a mação da seguinte forma: forrei um tabuleiro com papel vegetal e espalhei por cima a maçã partida em fatias finas. Aqueci o forno a 70ºC e deixei-o entreaberto, com as maçãs dentro, durante 1hora. Desliguei o forno, fechei-o e deixei as maçãs lá dentro durante 8 horas. Tornei a repetir a operação, ou seja, entreabri o forno, liguei-o a 70ºC e deixei assim 1 hora. Desliguei-o, fechei-o e deixei as maçãs passar lá a noite, ie, 12 horas. Tirei as maças do forno, deixei-as ao ar um par de oras e estavam prontas a serem usadas.

 

Para quem não quiser ter este trabalho, há à venda pacotes de maças desidratada que em supermercados quer em casas de produtos dietéticos.

 

Finalmente, a medida de cup que utilizei equivale a 250ml ou 200g.


 

publicado por Maria às 08:00
19
Abr
12

Hoje trago um bolinho muito saboroso, com ingredientes que todos têm em casa, e muito fácil de fazer pois nem há necessidade de bater a massa.

 

Continuo, desta forma , a tentar agradar a quem mais gosto não descurando, é claro, todas as carinhosas amiguinhas seguidoras ou visitantes esporádicas.

 

O que preparar:

 

  1. 150g de arroz;
  2. 0,5 l de leite;
  3. 1 pitada de sal;
  4. 50g de manteiga;
  5. 2 maçãs médias;
  6. 100g de uvas passas;
  7. 150g de açúcar;
  8. ½ cálice de vinho do Porto;
  9. 1 colher de chá de canela;
  10. 1 colher de sopa de mal;
  11. 4 ovos;
  12. Manteiga e farinha para untar e polvilhar a forma.

 

Como preparar:

 

Ferver o arroz em bastante água, temperada com sal, durante 5’, escorrendo-o depois. Acabar de cozer no 0,5 l de leite, com a manteiga, fervendo lentamente até que o arroz tenha absorvido o leite todo. Retirar do lume e juntar as maçãs descascadas e partidas em pedacinhos pequenos, bem como as uvas passas previamente hidratadas ( colocadas de molho em água ou num outro líquido a gosto, até estarem inchadas ou seja, hidratadas).

 

Juntar também o açúcar, o vinho do Porto, a canela e o mel. Mexer bem e juntar por fim os ovos, previamente batidos, ligando tudo muito bem.

 

Untar uma forma de bolos ( ou se não houver forma, um tacho), polvilhar de farinha e encher com o preparado. Levar ao forno a 180ºC durante 40’.

 

Retirar do forno, deixar arrefecer na forma e, após isso, desenformar.

 

Pincelar o bolo com um pouco de mal para ficar brilhante.

 

Mãos à obra.

 

publicado por Maria às 08:00
24
Fev
12

Quando vi que a escolha da receita desta Sexta feira tinha recaído sobre a Tarte Tatin, fiquei despassarada. Tive vontade de escrever à Mariana/Patrícia a pedir para escolherem outra coisa, please, please…

 

 

Entretanto imaginei 135 "Dorienas" a arremessarem-me colheres de pau pela minha  infeliz ideia e, garanto que esta imagem me demoveu toda a vontade de efectuar tal pedido.


É que depois de muitas indecisões acerca da minha participação ou não no desafio que está a decorrer na plataforma do Sapo, lá me havia decidido e escolhido uma receita que já fiz várias vezes, sai-me sempre bem e é, simplesmente, deliciosa. Adivinhem qual é?

 

É claro, a Tarte Tatin.

 

Mas pronto, não desanimei e já tenho outra escolha para a participação no desafio do Sapo.

 

Para aqui, "Dorie às Sextas", empenhei-me na confecção da minha tarte favorita para a publicar hoje, entre tantas outras que serão publicadas. E começa hoje o fórum da Tarte Tatin que será, com toda a certeza, tão agradável e construtivo como foram os anteriores.

 

  {#emotions_dlg.default}  

 

Julgo que a lenda da origem da Tarte Tatin é do conhecimento geral mas em todo o caso, conto-a resumidamente pois não deixa de ser curiosa e uso-a como nota introdutória.

 

Reza então a lenda que em França, a sul de Orléans, havia um pequeno hotel herdado e gerido por duas irmãs, sendo uma responsável pela parte administrativa e a outra pela parte da restauração. Esta última, afamada cozinheira e pasteleira, confeccionava uma tarte de maçã muito apreciada e que era o chamariz de muitos hóspedes.

 

Acontece porém, que um determinado dia de bastante azáfama na cozinha, a senhora colocou a tarte no forno e só se apercebeu que não havia colocado a base, quando a retirou para ser servida. Tentando remediar o erro para que os hóspedes não ficassem decepcionados com a falta da sobremesa tão esperada, cobriu as mação com a massa que deveria ter servido de base e levou novamente a tarte ao forno.

 

Desenformou-a, ficando aquela literalmente ao contrário do que era habitual.

 

Foi um sucesso maior que a tarte original e a prova disso é que hoje, Sexta feira, irão ser publicadas, arrisco-me a dizer, dezenas de tartes, no espaço “Dorie às Sextas”.

 

Bendito engano!

 

 

 

O que preparar:

 

  1. 1base de massa folhada;
  2. 1 kg de maçãs reineta;
  3. 200g de açúcar;
  4. 150g de manteiga.

 

Como preparar:

 

Num recipiente fundo que possa ir ao lume e ao forno, deitar 1/3 da quantidade de açúcar e de manteiga. Levar ao lume, mexendo sempre e deixar atingir a cor de caramelo, mas claro. Retirar do lume.

 

Descascar as maçãs, retirar-lhes os caroços e parti-las em 8, ao alto. Salpicar com limão para não oxidarem.

 

No recipiente onde se fez o caramelo, deitar metade da quantidade de maçãs. Deitar por cima mais -1/3 de açúcar e 1/3 de manteiga, esta partida em cubinhos. Colocar por cima as restantes maçãs e espalhar novamente por cima desta camada, o restante açúcar e manteiga em cubinhos.

 

Cobrir com massa folhada, aconchegando-a às maçãs quer no meio quer nos lados.

 

Levar a forno forte, pré aquecido ( 200ºC) durante 40’.

 

 

 

Notas finais – Depois de várias experiências, esta forma de confecção é a que mais se adapta ao nosso gosto cá em casa. Quer o uso das maçãs reinetas, quer o facto de não as  caramelizar ao lume, na totalidade, tornam-na muito mais suculenta pois o ácido das maçãs faz-se notado, contrabalançado pelo doce do açúcar adicionado qb.

 

Apesar da massa folhada, habitualmente, ao fim de 15’ estar cozida neste caso, só ao final de 40’ é que tem a cor alourada e está cozida. Atribuo ao facto a humidade transmitida pelas maçãs retardar a cozedura.

 

Por fim, em minha opinião, a Tarte Tatin, que deve ser servida quente, não fica completa sem uma bola de sorvete de baunilha.

 

Mãos à obra. 

 

publicado por Maria às 08:00
18
Dez
11

 

 

 

 

As maçãs assadas no forno são uma sobremesa muito simples de preparar e bastante vulgar mas, nem por isso, menos saborosa.

Gosto de fazer com maçãs reinetas pois são ácidas, característica perfeitamente oposta ao açúcar que adicionamos, bem como ao travo a canela que lhes impomos.

 

 

 

O que preparar:

 

  1. 6 maçãs reinetas de calibre médio;
  2. 1 cálice de vinho do Porto;
  3. 8 colheres de sopa de açúcar:
  4. 3 paus de canela;
  5. Canela em pó, a gosto;
  6. 1 cálice de água.

 

Como preparar:

 

Ligar o forno a 160ºC.

Retirar com instrumento próprio ou, na falta deste, com a ponta de uma faca, os caroços das maçãs. Fazer um corte superficial em toda a largura das maçãs. Encher os orifícios de onte foram tirados os caroços, com açúcar. Enfiiar também um pau de canela em 3 maçãs. Regar com o vinho do Porto, com a água e polvilhar com canela.

Lavar ao forno cerca de 30’ ou um pouco mais, até as maçãs estarem macias mas sem estarem a desfazer-se.

Servir uma maçã por pessoa, regada com a calda que se formou.

 

Mãos à obra.

 

publicado por Maria às 18:47
28
Nov
11

 

 

Um bolinho muito saboroso, não fora a combinação de maçã nozes e canela.O Tápi que o diga…

Boa semana para todos.

 

O que preparar:


1.        6 ovos

2.        2 chávenas de farinha

3.        chávena de açúcar

4.        chávena de óleo

5.        chávena de nozes picadas grosseiramente;

6.        colher de chá de fermento

7.        3 maçãs

 

Como preparar:


Na Bimby:
Colocar todos os ingredientes excepto a farinha e o fermento, no copo e misturar tudo durante 5m, Vel. 4. Adicionar a farinha e o fermento e envolver 10 seg., Vel. 3. Colocar o preparado numa forma previamente untada com manteiga. Cortar as maçãs em fatias finas e incorporar na massa, bem como as nozes, mexendo ligeiramente. Polvilhar com canela. Levar ao forno a 180 ºC, até estar cozido.


No processo tradicional:

Bater os ovos inteiros com o açúcar até obter um creme homogéneo: juntar o óleo e misturar a farinha e o fermento mexendo sempre. Colocar o preparado numa forma previamente untada com manteiga. Cortar as maçãs em fatias finas e incorporar na massa, bem como as nozes, mexendo ligeiramente. Polvilhar com canela. Levar ao forno a 180 ºC, até estar cozido.

 

Mãos à obra.

publicado por Maria às 18:25
Contador
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
últ. comentários
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
maravilha
maravilha
De facto cavala e sarda não são o mesmo peixe, as ...
Hoje dia 03 de Março de 2015 fui à procura de uma ...
Top blogs de receitas
blogs SAPO