Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
subscrever feeds
Posts mais comentados
25
Mar
13

Quando temos oferta de várias opções, elegemos sempre os nossos favoritos. Seja em livros, musicas, filmes, comidas, cores, etc, etc,etc, temos sempre os nossos prediletos. O mesmo se passa nos blogs culinários. Há os excelentes, há os bons, há os mais ou menos e… há os prediletos. É claro que na nossa classificação, os prediletos estão com a nota mais alta. É o caso do blog da minha amiguinha Gisela o Pão e Belgroegas. Este espaço é tão bom, tem tanta qualidade nas receitas que partilha e, muito importante, é muito fiável. Tudo o que a Gisela publica, se forem seguidas  as suas indicações, é um sucesso à mesa.

Adoro o teu trabalho, Gisela e gosto muito de ti! Já te tinha dito ?{#emotions_dlg.blink}

A que trago hoje é uma receita económica, simples e deliciosa. Ou não fosse uma receita do Alentejo; ou não fosse uma receita da minha amiguinha Gisela!

 

O que preparar:

  • 5 tomates grandes maduros ( eu usei com pele pois gosto de sentir os rolinhos na comida)
  • 1 cebola
  • 3 dentes de alho
  • 2 folhas de loureiro
  • sal, pimenta e azeite
  • pão alentejano de véspera ( 4 a 5 fatias partidas ao meio)
  • 4 ovos
  • 1 litro de água
  • oregãos
  • coentros

Como preparar:

Thermomix/Bimby:

Colocar a cebola e os alhos no copo e triturar 5 segundos, velocidade 5.
Juntar o louro e o azeite e programar 5 minutos, temperatura 100, velocidade 1.
Cortar os tomates aos bocados e juntar no copo, assim como o sal e a pimenta.
Programar 10 minutos, temperatura 100, velocidade 2.
Juntar a água e deixar ferver, 15 minutos, temperatura 100, velocidade 2.
Com a Bimby parada, deitar os ovos inteiros no copo, e deixar repousar cerca de 5 minutos, altura em que liga novamente a máquina, e programa 2 minutos, temperatura 100, velocidade colher inversa.
Entretanto cortar o pão em fatias finas e deitar numa terrina ou tigela e cobrir com a sopa bem quente.
Polvilhar com oregãos e coentros e servir de imediato.
Se preferir os ovos escalfados, colocar o caldo numa caçarola e deixá-los cozer a gosto.
Tradicional/ no tacho:
Numa caçarola deitar a cebola e os alhos picados, juntar o azeite, o sal e a pimenta e deixar refogar um pouco.
Juntar o tomate aos bocados e deixar cozer até o mesmo ficar praticamente desfeito.
Acrescentar a água, deixar ferver, juntar os ovos inteiros e mexer com uma colher para eles desfazerem e cozerem ao mesmo tempo.
Se preferir os ovos escalfados proceder do mesmo modo mas sem mexer.
Cortar o pão em fatias finas para dentro de uma terrina ou tigela e deitar a sopa por cima.
Polvilhar com os oregãos e coentros e servir de imediato.
Mãos à obra

publicado por Maria às 18:32
30
Jan
13
Ainda em modo de preguiça e negação a comidas elaboradas, trago-vos uma sopa deliciosa que se faz na hora.
A forma que os ovos tomam ao serem deitados em fio, deram o nome a esta sopa de Stracciatella que, em italiano, significa pequenas tiras.
Cozinha italiana em todo o seu explendor. Como tenho referido por diversas vezes aqui, é a minha cozinha predilecta. 
O que preparar:
  1. 1,5l de caldo de galinha/frango, natural;
  2. 1/2 molho de espinafres;
  3. 2 ovos;
  4. 3 colheres de sopa de queijo parmesão ralado no momento;
  5. sal, pimenta e salda a gosto.

Como preparar:

Ferver numa panela o caldo de galinha ( eu aproveito o caldo de cozedura da ave). Bater os ovos com o queijo parmesão ralado na hora. Quando o caldo estiver a ferver, juntar lentamente os ovos em fio, mexendo com um garfo. Vão-se formando fios. Juntar em seguida os espinafres arranjados e lavados. Deixar amolecer os espinafres e juntar 1 colher de sopa de salsa picada. Rectificar temperos e manter em lume brando até servir.

E é só! Deliciosa, acreditem.

Mãos à obra.

publicado por Maria às 17:54
03
Set
12

http://tentacoesobreamesa.blogspot.pt/2012/09/creme-de-tomate-e-cenoura.html

 

publicado por Maria às 21:19
20
Mar
12

A receita hoje é de uma sopa que, apesar do ar e sabor requintado é muito económica, pois faz-se simplesmente com, imaginem, as cascas e cabeças de camarões que usámos num outro prato qualquer.

 

Nunca desagradou a ninguém a que eu  tivesse servido, sendo até uma sopa sempre muito elogiada.

 

O que preparar:

 

  1. Cascas e cabeças de 0,5Kg de camarão;
  2. 50g de manteiga;
  3. 4 colheres de sopa de farinha de trigo;
  4. 1 dente de alho;
  5. 1 cebola pequena;
  6. 1 pedaço pequeno de cenoura;
  7. 1 folha de louro;
  8. 1 ramo de salsa;
  9. 1 colher de chá de pimentão doce;
  10. 1 colheres de sopa de polpa de tomate;
  11. 1 dl de vinho branco;
  12. 2l de água;
  13. 1 colher de chá de grãos de pimenta preta;
  14. 2 ou 3 malaguetas secas ( facultativo)
  15. 1 ou 2 colheres de brandy ( facultativo);
  16. Sal a gosto.

 

Como preparar:

 

Colocar na água fervente as cascas e cabeças de camarão. Deixar ferver durante 10’ e retirar do lume. Retirar as cascas e cabeças, aproveitando a água, e esmagar num almofariz. Reservar estas e a água.

 

Num tacho refogar a manteiga, o alho, a cebola e a cenoura picadas, bem como a salsa e a pimenta em grão. Juntar a polpa de tomate e de seguida as cascas e cabeças esmagadas. Deixar suar durante 2’ com o taxo tapado. Juntar a água reservada, temperar com sal e deixar ferver em lume brando,durante 45’.

 

Entretanto torrar a farinha. Esta deve ser colocada numa frigideira de ferro e levada ao lume, mexendo sempre, até atingir uma cor acastanhada, sem queimar. Nota-se que está no ponto quando começa a ceirar a pipocas.

 

Depois do caldo ter fervido durante os 45’, passá-lo por um coador, espremendo bem.

 

Levar o caldo coado a ferver, dissolver as farinha numa ou duas colheres de água fria e juntar mexendo sempre. Deixar ferver em lume brando durante 10’.

 

Rectificar os temperos e, se se desejar, é nesta altura que se deve juntar as malaguetas secas e o brandy.

 

Servir com dados de pão torrado.

 

Mãos à obra

 

publicado por Maria às 08:00
14
Jan
12

Numa época em que comia muito frequentemente em restaurantes, umas vezes por necessidade, outras por simples prazer, era cliente assídua de um restaurante que serve comida alentejana ali para os lados de Carnide em Lisboa. A comida que é lá servida tem tanta qualidade que o nome do espaço deveria ser “Comida Divinal do Alentejo”! Mas não, o restaurante é conhecido como “ O Galito”.

 

Quem vive em Lisboa ou quem tem oportunidade de lá ir, devia tornar este restaurante como paragem obrigatória. É excepcional. O espaço é gerido pelo dono, sr. Henrique, coadjuvado, e muito bem, pelo seu filho Daniel. Quem está na cozinha e é a detentora dos segredos culinários é a D. Gertrudes, a matriarca.

 

Recordo-me com deleite dos petiscos saídos das mãos desta senhora e da forma principesca com que éramos servidos.

 

Em pleno verão, no pino do calor, recordo-me de entrar lá com o meu marido, ser-nos servida uma cerveja gelada que acompanhava as deliciosas entradas ( farinheira assada, ovos mexidos com tomate, lebre de escabeche, favas com coentros e alho, etc, etc, etc). Depois, e porque eles já nos conheciam as preferências, éramos presenteados com um gaspacho geladinho a acompanhar uns carapauzinhos fritos. Sentíamos, por momentos, que tínhamos subido ao céu com tamanho repasto.

 

 

 

É esse gaspacho q tento hoje aqui reproduzir e que, segundo os meus, não fica muito aquém do que conhecemos como original. E, por ser tão delicioso, faço questão de o partilhar convosco. Espero que gostem.

 

Os fifis, bem esses, estou certa que me agradecerão por poderem sentir os sabores da sua terra lá de longe ,onde eles estão.

 

 

 

O que preparar:

 

  1. ½ pimento verde;
  2. ½ cebola média;
  3. 3 tomates pequenos;
  4. 1 pepino;
  5. 1 ramo de coentros;
  6. 2 dentes de alho;
  7. 1 dl de azeite;
  8. 5 colheres de sopa de vinagre;
  9. 7,5 dl de água muito fresca;
  10. Sal a gosto;
  11. Cubos de pão alentejano ou outro ( facultativo – eu não ponho )
  12. Pedras de gelo se fizerem este gaspacho em cima da hora.

 

 

 

Como preparar:

 

Partir os vegetais em cubos muito pequeninos ( é importante que sejam bem pequeninos) e colocá-los numa taça ou terrina.

 

Deitar o azeite, o vinagre, o alho ralado, o sal e os coentros picados.

 

Deitar por cima a água.

 

Levar ao frigorífico até à hora de servir.

 

Tal como no”Galito”, eu sirvo este gaspacho com carapauzinhos fritos, servidos num prato à parte.

 

Mãos à obra.

 

 

 

publicado por Maria às 08:00
Contador
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
últ. comentários
Ficou lindo, foi a minha inspiração para o almoço ...
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
maravilha
maravilha
De facto cavala e sarda não são o mesmo peixe, as ...
Top blogs de receitas
blogs SAPO