Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
27
Ago
13
Apesar desta pausa, a minha cozinha continua em velocidade cruzeiro; nada de novo, nada de complicado e muito elaborado, quer porque o calor me tira algum poder de raciocínio ( é mesmo verdade) e de vontade de estar horas na cozinha a fazer mimos para a família, quer porque o apetite e a falta de tempo exigem que as refeições sejam feitas de ingredientes crús, com misturas inventadas no momento, frias e de digestões fáceis. 
Porém, no leito deste rio de preguiça, surgiu esta sopinha que tive mesmo vontade de vir convosco partilhar. É simples, económica e das mais deliciosas que tenho comido. Aproveita-se tudo, inclusivamente, imaginem, as cascas.
A receita foi sugerida e ensinada pelo meu Chef de eleição : Nigel Slater . Adoro tudo o que sugere e nunca me deixou ficar mal.
O que preparar:
  1. 1 abóbora manteiga;
  2. 1 cebola grande;
  3. 1 colher de sopa de pimentão doce em pó;
  4. 4 colheres de sopa de azeite;
  5. 1 haste de alecrim;
  6. 1 colher de sopa de vinagre de cidra;
  7. caldo de legumes que baste;
  8. sal, azeite a gosto.

Como preparar:

Retirar a casca da abóbora com um descascador de legumes de molde a que saiam lascas finas. Colocar essas cascas num tabuleiro de forno e salpicar com folhas picadas de alecrim, sal, um fio de azeite e um fio de vinagre de cidra. Levar ao forno a 180ºC, deixando-as cerca de 30 minutos ou até ficarem crocantes. Retirar do forno e reservar.

Entretanto, partir a abóbora em cubos, a cebola também em cubos e colocar ambas numa pamela. Salpicar com o pimentão doce em pó, regar com as 4 colheres de sopa de azeite e levar ao lume até a abóbora começar a amolecer. Nessa altura deitar o caldo de legumes, não emergindo estes totalmente, ficando assim a parte superior fora do caldo. Deixar ferver até a abóbora estar cozida e macia. Triturar com a varinha mágica e, caso se ache o caldo muito espesso, deitar um pouco mais de caldo até se obter a consistência desejada. Temperar de sal e servir com algumas cascas crocantes em cima.

Esta sopa fica muito aveludada e contrasta com a "crocância" das cascas. É maravilhosa.

Mãos à obra,

tags:
publicado por Maria às 18:59
05
Fev
12

Tempo frio, caldos quentes.

 

Este creme é muito suave e muito agradável. Económico, é também uma das suas qualidades.

 

 

 

O que preparar:

 

  1. 0,5 Kg de batatas descascadas e partidas em cubos;
  2. 1 couve flor;
  3. 50g de manteiga;
  4. 1 cebola;
  5. 1,5l de caldo de legumes.

 

Como preparar:

 

Lavar bem a couve flor e separar os talos das “pontinhas”. Descascar as batatas e partir em cubos.

 

Picar a cebola e levá-la ao lume juntamente com a manteiga, sem deixar alourar. Juntar os talos da couve flor, bem como as batatas. Mexer e juntar o caldo. Deixar levantar fervura e deixar cozer os legumes. Quando estiverem cozidos, triturar bem até ficar com uma consistência cremosa. Temperar com sal.

 

Entretanto, levar ao lume, num tachinho, as pontinhas dos talos juntamente com uma colher de manteiga e o mínimo possível de água. Deixar cozinhar cerca de 8’ em lume brando. Verter para o creme.

 

Servir quente.

 

Mãos à obra.

 

Entretanto,queria deixar aqui um apontamento,no sentido de esclarecer a minha posição acerca do novo acordo ortográfico.

Algumas pessoas têm-me abordado com estranheza por eu não o ter adoptado.

 

Transcrevo a seguir algumas partes de um  artigo do Miguel Esteves Cardoso (MEC), datado de 1986, e acerca de um acordo ortográfico de então que, não obstante terem piada, não deixam de fazer todo o sentido. Faço das suas palavras, as minhas palavras.

E mais não digo.


"Dantes, cada país exercia o direito inalienável de escrever a língua portuguesa como queria. As variações ortográficas tinham graça e ajudavam a estabelecer a identidade cultural de cada país. Agora, com o Acordo Tortográfico, a diferença está em serem os Portugueses a escreverem como todos os outros países querem."
"Os Portugueses, no fundo, assinaram um Pacto Ortográfico que soube a Pato. Ninguém imagina os Espanhóis, os Franceses ou os Ingleses a lançarem-se em acordos tortográficos, a torto e a direito, como os Portugueses. Cada país – seja Timor, seja o Brasil, seja Portugal – tem o direito e o dever de deixar desenvolver um idioma próprio, Portugal já tem uma língua e uma ortografia próprias. Há já bastante tempo. O Brasil, por sua vez, tem conseguido criar um idioma de base portuguesa que é riquíssimo e que se acrescenta ao nosso. Os países africanos que foram colónias nossas avançam pelo mesmo caminho. Tentar «uniformizar» a ortografia, em culturas tão diversas, por decretos aleatórios que ousam passar por cima dos misteriosos mecanismos da língua, traduz um insuportável colonialismo às avessas, um imperialismo envergonhado e bajulador que não dignifica nenhuma das várias pátrias envolvidas. É uma subtracção totalitária."
"A ortografia brasileira tem a sua razão de ser, e a sua identidade própria. Quando lemos um livro brasileiro, desde um «Pato Donald» ao Guimarães Rosa, essas variações são perfeitamente compreensíveis. Até achamos graça, como os Brasileiros acham graça à nossa. Tentar «uniformizar» artificialmente a ortografia, para além das bases mínimas da Convenção de 1945, é da mesma ordem de estupidez que pretender que todos aqueles que falam português falem com a pronúncia de Celorico ou de Salvador da Bahia. É ridículo, é anticultural e é humilhante para todos nós. Se não tivessem já gozado, era caso para mandá-los gozar com o Camões."
"As línguas são indissociáveis das culturas e das histórias nacionais, e elas são diferentes em todos os países que hoje falam português à maneira deles. A maneira deles é a maneira deles, e a nossa é a nossa. A única diferença é que Portugal já há muito achou a sua própria maneira, tanto mais que a pôde ensinar a outros povos, e é um ultraje e um desrespeito pretender que passemos a escrever como os Moçambicanos ou como os Brasileiros. Eles são países novinhos. Nós somos velhinhos. E não faz sentido ensinar os velhinhos a dizer gugudadá, só para que possam «falar a mesma língua» que as criancinhas."
"Dizem que é «mais conveniente». Mais conveniente ainda era falarmos todos inglês, que dá muito mais jeito. Ou esperanto. Dizem que a informática não tem acentos. É mentira. Basta um esforçozinho de nada, como já provaram os Franceses e já vão provando alguns programadores portugueses. Dizem que é mais racional. Mas não é racional andar a brincar com coisas sérias. A nossa língua e a nossa ortografia são das poucas coisas realmente sérias que Portugal ainda tem. É irracional querer misturar a política da língua com a língua da política.
O que vale é que, neste mesmo momento, muitos Portugueses – escritores, jornalistas e outros utentes da nossa língua – estão a organizar-se para combater esta inestética monstruosidade. Que graça tinha se se fizesse um Acordo Ortográfico e nenhum português, brasileiro ou cabo-verdiano o obedecesse. Isso sim, seria um acordo inteligente. Concordar em discordar é a verdadeira prova de civilização." 

 

 

 

 

 

publicado por Maria às 08:00
Contador
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
últ. comentários
No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fritas sã...
 No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fri...
Minha avó, que cresceu em Mogadouro, muitas vezes ...
pois ! No meu tempo (43/51, chumbei um ano), bat...
Ficou lindo, foi a minha inspiração para o almoço ...
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
Top blogs de receitas
blogs SAPO