Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
21
22
28
29
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
14
Abr
12

Não me atreveria a trazer-vos esta receita não fora o caso de ter aprendido, há muito pouco tempo, com um Chef italiano que teve a amabilidade de me ensinar “tim tim por tim tim” como se faz o verdadeiro “esparguete à bolonhesa”.

 

Fiquei espantada quando verifiquei que nada tem a ver com a receita que eu sempre fiz, que é rápida, frita-se tudo, junta-se ao esparguete e, já está.

 

Aliás, há uns anos atrás, aquando de umas férias que passei na Ilha do Sal, em Cabo Verde, depois de estarmos literalmente enjoados da comida que nos era oferecida nos restaurantes locais e no próprio hotel onde estávamos alojados, que não passava de atum fresco com tudo e tudo com atum fresco, lá descobrimos um hotel italiano e decidimos ir “tirar a barriga de misérias” ao restaurante.

 

Ao pedir ao Chefe de mesa um esparguete à bolonhesa, que constava na lista, este informou-me que não tinham no momento. Perguntei, algo indignada, se não o poderiam confeccionar uma vez a sua preparação ser tão rápida. Retorquiu, com uma pose muito “snob” que um verdadeiro saghetti bolognese demoraria muito tempo a ser cozinhado pelo que não podia ter lugar nessa refeição.

 

Fiquei irritadíssima com o pretensiosismo do senhor, atribuindo a sua justificação a má vontade e, desde então, sempre que como esse prato, lembro-me desse episódio.

 

Quando, há dias, me foi ensinado como se faz, de facto, este prato italiano, pedi, mentalmente, desculpa ao senhor de Cabo Verde por ter feito juízos injustos acerca da sua atitude.

 

O que preparar:

 

  1. 1 cebola
  2. 1 cenora;
  3. 1 talo de aipo;
  4. 1 dl de azeite;
  5. 1 colher de sopa de manteiga;
  6. 0,5Kg de carne picada (metade vaca e metade porco);
  7. 700g de tomate passado em lata;
  8. 1 dl de vinho branco;
  9. 1 dl de água;
  10. 1 folha de loureiro;
  11. Noz moscada a gosto;
  12. Queijo parmesão a gosto.

 

Como preparar:

 

Partir a cebola, a cenoura e o aipo em cubos e levar ao lume com o azeite e a manteiga. Temperar de sal e pimenta e deixar cozer em lume muito brando não deixando nunca fritar durante 30’. Ao fim deste tempo, juntar a carne picada esmagando com um garfo de madeira. Juntar o vinho branco, o tomate passado, a água e, finalmente mas muito importante, a folha de loureiro.

 

A partir daqui, mexer e deixar depois cozinhar muito lentamente, nunca deixando fritar, dirante 2,5h. a carne e o molho fundem-se de tal forma que se transforma num creme.

 

Ao fim desse tempo, juntar a noz moscada e rectificar os temperos de sal e pimenta.

 

Cozer a pasta em água temperada com sal e escorrer bem quando cozida. Deitá-la numa taça de ir à mesa e polvilhar com queijo parmesão. Deitar o molho de carne por cima e polvilhar novamente com queijo parmesão.

 

Realmente, não tem nada a ver com o esparguete à bolonhesa que estava habituada a comer!

 

Cremoso, suave e muito, mesmo muito saboroso. Mesmo italiano, como eu gosto!

 

Mãos à obra.

 

publicado por Maria às 08:00
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
21
22
28
29
últ. comentários
No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fritas sã...
 No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fri...
Minha avó, que cresceu em Mogadouro, muitas vezes ...
pois ! No meu tempo (43/51, chumbei um ano), bat...
Ficou lindo, foi a minha inspiração para o almoço ...
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
blogs SAPO