Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
15
17
19
21
23
24
26
27
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
05
Mar
13

Ter rissóis no congelador, prontinhos a entrar na frigideira são a solução fantástica para uma refeição imprevista, para um pic nic no campo ou mesmo para uma mesa de festa. São fritos, bem sei, mas não há forma de substituir a fritura pelo calor do forno pois o resultado não se assemelha. Porém, de molde a minimizar os malefícios da fritura, dever-se-á usar um óleo vegetal de girassol ou amendoim. Não refiro o óleo de soja pois, na minha opinião, tem um odor “pestilento”.

O recheio de um rissol pode variar conforme o gosto ou o que temos no frigorífico. A massa, como é obvio, é sempre a mesma. Apresento em seguida uma forma de fazer a massa e 3 recheios possíveis.

Massa para Rissóis:

  1. 2,5 dl de água;
  2. 2 colheres de sopa de azeite;
  3. 180g de farinha de trigo;
  4. 50g de farinha de arroz;
  5. Sal e pimenta a gosto;
  6. Pão ralado finamente ( eu faço em casa), ovo batido para panar;
  7. Óleo vegetal para fritar.

Deitar a água, o sal e o azeite num tacho e levar a ferver.  Juntar a farinha e mexer vigorosamente com uma colher de pau até a massa formar uma bola e se soltar do fudo do tacho ( este trabalho demora cerca de 2´). Deitar a massa sobre a bancada enfarinhada com farinha de arroz e deixar arrefecer. Quando fria, estender com um rolo e cortar círculos com a ajuda de um copo, taça, etc. As sobras de massa podem ser amassadas novamente e estendidas. Colocar em cada círculo uma colher de chá de recheio e dobrar a massa ao meio, formando ½ luas. Passar por ovo batido e pão ralado e levar a fritar em óleo bem quente. Quando fritos, ir colocando numa rede ou sobre papel absorvente para retirar o excesso de gordura. Caso se queira congelar para uso posterior, deverá ser quando estão panados, antes de fritar.

Uso farinha de arroz pois a massa fica muito crocante, mesmo depois dos rissóis estarem frios. Porém, a massa poderá ser feita somente com farinha de trigo, usando assim 230g de farinha de trigo.

Recheios:

De peixe:

  1. 30g de manteiga;
  2. 1 colher de sopa de óleo vegetal;
  3. 1 cebola picada muito finamente;
  4. 1 colher de sopa de amido de milho ( Maizena);
  5. 2,5dl de leite;
  6. ½ colher de pasta de tomate concentrado;
  7. 0,5 Kg de peixe cozido e livre de peles e espinhas;
  8. Sal, pimenta e noz moscada a gosto.

Num tacho deitar o óleo, a cebola muito picada, a manteiga e levar a refogar em lume brando até começar a alourar. Juntar a farinha, mexer muito bem e  juntar de seguida, lentamente e em fio, o leite. Juntar a pasta de tomate e mexer até levantar fervura e engrossar um pouco.  Retirar do lume, juntar o peixe lascado e a salsa picada. Temperar de sal, pimenta e noz moscada. Deixar arrefecer e rechear os rissóis.

De Camarão

Usar os ingredientes nas quantidades acima indicadas, substituindo apenas o peixe por camarão e o metade da quantidade de leite por caldo onde o camarão foi cozido.

De Fiambre e Ovo Picado

Novamente deve ser usado os mesmo ingredientes nas quantidades indicadas. O peixe é substituido por fiambre e um ovo cozido picado.

publicado por Maria às 19:25
03
Mar
13

Só há relativamente pouco tempo consegui atingir o “ponto” de um bom Risotto.  Após muitas tentativas frustradas e com alguma persistência, consegui, finalmente, estabelecer regras e métodos de molde a que resulte na minha panela um Risotto mesmo ao meu gosto.

Sem pretensões algumas, partilho convosco as regras que julgo essenciais para sermos bem sucedidos quando nos propostos fazer um Rosotto.

  1. O Risotto deverá ser feito com arroz arbóreo que é um arroz de grão curto e com mais amido do que um arroz comum.
  2. Não se deve comprar o arroz guardado em vácuo. Este processo apenas serve para poupar espaço nas prateleiras dos supermercados e contribui para que os bagos de arroz se apresentem partidos;
  3. Os líquidos a juntar aquando da confeção de um Risotto deverão ser vinho branco ( indispensável para os bagos “abrirem”) e um caldo qualquer, de preferência caseiro;
  4. Não se deve mexer o arroz enquanto cozinha.  É um dos maiores erros que se comete pois parte os bagos de arroz ficando este “espapaçado”.
  5. O caldo que se vai acrescentando  deve estar quente pelo que devará estar a fervilhar numa panela ao lado.
  6. Não deixar cozer demasiado a arroz pois fica em papas nem deitar demasiado caldo pois fica com aspecto de sopa. Temos de ter a sensibilidade de perceber o ponto de paragem de cozedura  estando o arroz cozido quanto baste, al dente,  sem estar a “boiar” em caldo. Deverá ficar com o mesmo aspecto de um arroz doce.
  7. Finalmente, um Risotto deverá ser servido imediatamente sob pena de ficar com aspecto e consistência de cola devido ao amido deste tipo de bagos.

Vamos então ver como fiz este Risotto de camarão:

O que preparar:

  1. 16 camarões calibre 30/40;
  2. 300g de arroz arbóreo;
  3. 1,2l de caldo de cozer os camarões;
  4. 1 cebola;
  5. 2 colheres de sopa de manteiga;
  6. 1 dl de vinho branco;
  7. 3 colheres de sopa de queijo paremão;
  8. 6 pés de coentros;
  9. sal a gosto.

Como preparar:

Cozer os camarões em água temperada com sal durante 12´. Passado este tempo, retirar imediatamente os camarões da água onde cozeram e mergulhá-los em água gelada. Descascá-los, descartando cascas e cabeças. Coar o caldo e colcocar numa panela em cima de lume brando.

Picar muito bem a cebola e levá-la ao lume com a manteiga até que fique translúcida ( ciudado para não deixar queimar). Deitar o arroz e ir abanando o tacho semmexer com qualquer colher. Deitar de seguida o vinho branco deixando o arroz absorver quase na totalidade, mas sem o nunca deixar secar. Ir juntando conchas de caldo bem quente, abanando a panela de vez em quando para o arroz não pegar ao fundo. Quando o caldo estiver qause a desaparecer, ir acrescentando mais. Não deixar nunca, neste processo, o arroz secar. 

Passados cerca de 20 a 25´o arroz já deve estar cozido. Devemos provar uns bagos; se estiver ainda com textura de pedrinhas na boca, precisa de mais uns minutos ao lume devendo-se continuar a acrescentar caldo sem ser, porém , em demasia. Se estiver um bago consistente, o arroz está pronto. 

Retirar do lume e acrescentar o queijo ralado, os camarões e os coentros bem picadinhos. Mexer muito gentilmente para misturar os ingredientes ao arroz e servir imediatamente.

Fica um arroz muito, mas muito cremoso.

Mãos à obra.

publicado por Maria às 14:31
02
Mar
13
Tem "cara" de chocolate, sabe a chocolate mas, não é chocolate. O que é? 
Alfarroba, claro.

Além de nutritivos, os produtos feitos com alfarroba são isentos de lactose, glúten e açúcar, podendo ser consumidos, inclusivamente, por quem tem alergia ao leite.

Apesar de não ter sido tão difundida como o cacau, a Alfarroba já era usada pelos Egípcios há mais de 5.000 anos. Fruto da Alfarrobeira, árvore nativa do mediterrâneo, a alfarroba é uma vagem da qual se extrai a polpa que é torrada e moída para se obter o pó usado na substituição do cacau.

Desde que conheço esta farinha procuro, avidamente, receitas onde conste pois, os resultados são sempre deliciosos. 
Estes bolinhos que hoje trago são muito fáceis de fazer;  ficam muito saborosos, extraordinariamente fofos e com o interior húmido. Impossível não gostar.
O que preparar:
  1. 120g de manteiga;
  2. 75g de farinha de alfarroba;
  3. 3 ovos;
  4. 180g de açúcar mascavado claro;
  5. 1 pitada de sal;
  6. 1/2 colher de chá de essência de baunilha;
  7. 65g de farinha de trigo;
  8. 1/2 colher de chá de fermento químico ( usei Royal).

Como preparar:

Derreter a manteiga em banho Maria ou no microondas. Misturar bem a manteiga com a farinha de alfarroba.

Numa taça e de preferência com a batedeira, bater os ovos, açúcar, sal e baunilha até formar umcreme leve e espumoso. Adicionar a manteiga com a alfarroba e misturar gentilmente até a massa ficar homogénea. Juntar, por fim, a farinha e o fermente peneirados e misturar sem bater.

Verter a massa para forminhas de silicone ou, previamente, untadas com manteiga e polvilhadas com farinha. 

Levar ao forno, previamente aquecido a 180ºC e deixar cozer cerca de 15 a 20'. Retirar do forno e deixar arrefecer 5´, Desenformar e deixar acabar de arrefecer sobre uma grelha.

Mãos à obra


Receita adaptada do blog Flagrante Delícia.

publicado por Maria às 15:07
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
15
17
19
21
23
24
26
27
30
31
últ. comentários
No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fritas sã...
 No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fri...
Minha avó, que cresceu em Mogadouro, muitas vezes ...
pois ! No meu tempo (43/51, chumbei um ano), bat...
Ficou lindo, foi a minha inspiração para o almoço ...
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
blogs SAPO