Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
17
18
20
22
24
25
26
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
12
Abr
13

Quem me iniciou nos licores foi a Moira. Ensinou-me a fazer uma séria deles, inclusivamente este, o de cereja. Ela aconselha a esperar um ano para consumir, e assim o fiz. Digo-vos que valeu a pena tão alongada espera. Delicioso.

Não vou dar quantidades pois isso dependerá do tamanho do frasco onde for guardado a marcerar.

Assim, teremos de ter um frasco de boca larga, cerejas que encham 1/3 da capacidade do frasco, açúcar para cobrir as cerejas e uma boa aguardente para completar a capacidade do frasco.

Deve-se lavar bem as cerejas sendo a acção de tirar-lhes o pedúnculo, facultativa. Secá-las em papel de cozinha e deitar no frasco. Juntar um pau de canela e cobrir com açúcar. Fechar o frasco e deixar assim durante 2 a 3 dias, abanando de vez em quando. Ao fim deste tempo, completar com aguardente, mexer e fechar o frasco. Guardar em local seco e sem muita claridade. Enchermo-nos de paciência e esperar um ano.

Eu fiz este o ano passado, aquando da época das cerejas. Ainda não decorreram os 12 meses de praxe mas já se bebe maravilhosamente bem e, melhor, comem-se as cerejas. Uma delícia.

E porque achei que à festa de aniversário do blog O Bolo da Tia Rosa, da nossa querida Mané, não poderia faltar um brinde ao seu trabalho e à maravilhosa pessoa que ela é, ofereço-lhe este licor acompanhado do meu sincero agradecimento.

Parabéns, Mané e obrigada por estares sempre aí. Tchim thim.

publicado por Maria às 20:07
10
Abr
13

A definição de alquimia é a ciência oculta que tende a descobrir o elixir da vida e a pedra filosofal.

Para muitos de nós, que tanto gostamos destas lides culinárias, alquimia é a tentativa incansável de descobrir a receita perfeita do bolo de chocolate.

Esta que trago e que foi feita para o bolo de aniversário do meu fifi mais pequeno, é melhor que muitas mas não é a melhor, a “the best”. Resulta num bolo excelente mas não posso adjetivá-lo do melhor bolo de chocolate do mundo. Há quem tenha essa veleidade mas, isso é uma conversa para outra altura.{#emotions_dlg.blink}

 

O que preparar:

  1. 1 forma de aro amovível de 24 cm;
  2. 150g de chocolate de muito boa qualidade;
  3. 10 ovos;
  4. 50g de açúcar refinado;
  5. 30g de manteiga;
  6. Raspas de chocolate para decorar.

Como preparar:

Separar as claras das gemas e bater aquelas com metade do açúcar até ficarem em castelo firme.

Se se tiver Thermomix/Bimby, colocar as gemas e o restante açúcar no copo programando 7´, temp.37ºC na vel.3. Quando concluido, marcar mais 7´, sem temperatura, na vel.3.

Pelo método tradicional, deve-se mexer com energia as gemas com o açúcar e levá-las ao calor, numa caçarola sobre um recipiente com água a ferver e ir mexendo com a vara de arames até formar um cremes espesso sem porém deixar ferver. De notar que a caçarola que contém as gemas não deverá tocar na água fervente.

Levar o chocolate e a manteiga num caçarola sobre outra com água a ferver e ir mexendo até derreter formando uma pasta brilhante. Quando frio ou, pelo menos, morno, verter com cuidado sobre as gemas mexendo lentamente. Quando estiver uma mistura homogénea, juntar as claras a pouco e pouco e ir mexendo muito delicadamente de baixo para cima para não perder ar.

Reservar 1/4 da massa numa taça no frigorífico e, a restante vertê-la para a forma. Levar ao forno a 180ºC durante cerca de 40 a 45'.

Arrefecer sobre uma grade, empratar e cobrir com o creme reservado no frigorífico. Decorar com raspas de chocolate.

Não abrir a porta do forno enquanto o bolo estiver a cozer pois, como não leva farinha, abate facilmente.

Mãos à obra.

Fonte

tags:
publicado por Maria às 19:10
08
Abr
13
Sei que não estou só neste desejo, mas espero ansiosamente a Primavera. Aqueles dias cálidos em que apetece passear no campo, absorver  todas as cores que a natureza nos oferece, apreciar a areia e a cor azul do mar a prometer Verão. Comer ao ar livre saladas e  mais saladas cruas, coloridas, sem precisarem de calor de fogão para serem deliciosas. Mas, por enquanto, é comida quente que apetece. Daquela que fumega no prato e aconhega o estômago. É o caso deste arroz, cheio de coisas boas, de plantinhas que nos fazem bem, e com um sabor muito delicado. Acreditem, é mesmo bom.
O que preparar:
  1. 100g de couve lombardo;
  2. 1 cebola;
  3. 1 dente de alho;
  4. 1 malagueta red chilli, sem sementes;
  5. 25g de azeite;
  6. 1 pimento verde, cortado em pedaços;
  7. 60g de cenoura, cortada em pedaços;
  8. 200g de tomate maduro, cortado em pedaços;
  9. 100g de cerveja;
  10. 150g de arroz carolino;
  11. 450g de água;
  12. 2 latas de atum, conservado em água;
  13. Sal e Pimenta preta moída na hora.

Como preparar:

Thermomix- Bimby

Cortar a cove em 4 e colocá-la no copo picando 2 seg/vel 5. Retirar e reservar.
Deitar a cebola, o alho, a malagueta e o azeite e picar 5 seg/vel 5. Depois refogar 5 min/temp 100ºC/vel 1.
Juntar o pimento, a cenoura e o tomate e pique 3 seg/vel 5. Adicionar a couve reservada e a cerveja e cozinhar 7 min/temp 100ºC/vel colher inversa.
Acrescentar o arroz, a água, o atum escorrido, temperar com sal e pimenta e programar 15 min/temp 100ºC/vel colher inversa.
Acertar os temperos e sirvir.

Tradicional

Aqueer o azeite e refogar a cebola, o alho picado e a malagueta picados. 
Cortar a couve em juliana fina e o pimento, a cenoura e o tomate em cubinhos. Juntar tudo ao refogado, acrescentar a cerveja e deixar cozinhar uns minutos até os vegetais quebrarem. Escorrer o atum e deitá-lo no refogado.
Adicionar a água, temperar com sal e pimenta e quando levantar fervura, deitar o arroz. Deixar em lume brando até que o arroz coza.
Acertar os temperos e sirvir.

Mãos à obra

Mais uma receita adaptada do No soup for you

publicado por Maria às 19:30
06
Abr
13

Sou onívora, isso é ponto assente. Mas, também penso logo, sou inteligente.

Por este último facto, e porque como disse há uns dias atrás, cada vez me sinto mais incomodada por termos de matar para comer, estou a tentar, paulatinamente, introduzir uma alimentação mais herbívora. Sem radicalismos, sem histerias.

Apercebi-me, entretanto, que os meus fifis ausentes, em especial o mais velho, estão com um regime alimentar muito aquém do desejável. Por pura preguiça e alguma desorganização, acabam por cair na armadilha da fast food.

Assim, e por que este blog é deles e principalmente para eles, vou tentar mudar um pouco o rumo das receitas que trarei. Inicialmente, preciso de ajuda de outros blogs pois tenho pouca experiência nesta área, não me sentindo ainda muito à vontade para inventar totalmente uma receita. Lá chegarei. Por enquanto são receitas “roubadas” de outros cantinhos culinários que, pela qualidade das receitas, estão a convencer-me que estou no caminho certo.

Esta fui buscá-la ao No soup for you e é uma verdadeira delícia.

O que preparar:
  1. 125g de mozzarella fresca;
  2. 90g de tomate seco bem escorrido; 
  3. 50g de azeitonas; 
  4. 1/2 courgette ralada;
  5. 3 ovos;
  6. 200ml de leite;
  7. 3 colheres sopa azeite;
  8. 1 chávena de café de manjericão; 
  9. 200 gr de farinha de trigo T65;
  10. 1 colher sobremesa de fermento. 

Como preparar
Thermomix/ Bimby

Colocar o queijo, o tomate seco, o manjericão, a curgete e as azeitonas no copo e dar um ou dois toques de turbo para triturar tudo grosseiramente. Reservar.

Sem lavar o copo, deitar os ovos, o leite e o azeite: 15 seg, vel 4. Temperar com sal e pimenta. 
Juntar a farinha e o fermento: 8 seg, vel 2. 
Envolver a mistura do tomate seco delicadamente com a espátula.
Forrar uma forma de bolo inglês ou redonda com chaminé com papel vegetal, untar de azeite e deitar o preparado. Levar a forno médio durante 45 minutos.

Tradicional

Numa taça misturar com a ajuda de um batedor de varas os ovos, o leite e o azeite. Temperar com sal e pimenta. Juntar a farinha e o fermento e misturar delicadamente. 
Adicionar de seguida o queijo triturado, o tomate seco cortado em tiras, o manjericão e as azeitonas laminadas e a curgete ralada.
Forrar uma forma de bolo inglês ou redonda com chaminé com papel vegetal, untar de azeite e deite o preparado. Levar a forno médio durante 45 minutos.

Servi com uma salada de composta por fatias de quejo fresco e tomate.

Mãos à obra.

publicado por Maria às 17:59
04
Abr
13

Descobri há pouco tempo os arandos ou uva do monte. No Reino Unido são os cranberries e foi de onde os meus vieram. Não tive ainda a sorte de os provar frescos mas penso que em breve o farei. Portanto, os que me chegaram à mão são os arandos secos que, digo-vos, são viciantes. Docinhos e simultaneamente azedinhos, comem-se sem parar. E, antes que isso acontecesse usei os poucos que ainda me restavam nuns queques que ficaram deliciosos.

O que preparar:

  1. 1 cup de arandos secos;
  2. 1/4 cup de sumo de laranja;
  3. 1 + 1/2 cup de farinha;
  4. 2 colheres de chá de fermento;
  5. 1 pitada de sal;
  6. 2 colheres de sopa de manteiga;
  7. Raspa de ½ laranja;
  8. ½ cup de açúcar;
  9. 2 ovos;
  10. 1 iogurte natural.

Como preparar:

Pré aquecer o forno a 180ºC. Polvilhar forminhas de queques, caso não tenham de silicone. Levar o sumo de laranja e os arandos ao lume até ferver. Coar o sumo e reservar ambos ( sumo e arandos).

Na taça da batedeira bater a manteiga, a raspa de laranja e o açúcar até ficar um creme esbranquiçado. Juntar os ovos, um de cada vez, batendo em cada adição. Retirar a taça da batedeira e misturar a farinha com o fermento e sal, em alternância com o iogurte e o sumo de laranja. Misturar, por fim, os arandos com uma espátula. Verter nas forminhas, salpicar com açúcar e levar ao forno cerca de 20´.

Mãos à obra.

Fonte


publicado por Maria às 14:17
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
17
18
20
22
24
25
26
27
28
29
30
últ. comentários
No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fritas sã...
 No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fri...
Minha avó, que cresceu em Mogadouro, muitas vezes ...
pois ! No meu tempo (43/51, chumbei um ano), bat...
Ficou lindo, foi a minha inspiração para o almoço ...
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
blogs SAPO