Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
16
19
23
26
28
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
07
Jun
13
Não vale a pena adjectivar esta galette pois qualquer elogio ficaria aquém do que ela realmente vale. Aconselho vivamente a fazerem-na pois só a provarem é que irão entender a que me refiro.  Hei-de fazer muito mais vezes, variando a fruta.Mais uma quinzena da " Dorie às Sextas". 
O que preparar para a massa da tarte:

 

 

1 1/2 chávenas de farinha

2 colheres de sopa de açúcar

3/4 colher de chá de sal

150g de manteiga sem sal, fria, cortada em cubos pequenos

2 1/2 colheres de sopa de gordura vegetal fria, cortada em 2 pedaços

1/4 chávena de água gelada

 

Como preparar a massa da tarte:

 

Colocar a farinha, o açúcar e o sal num processador de alimentos com uma lâmina de metal e pulsar apenas para combinar os ingredientes. Adicionar a manteiga e a gordura; pulsar até que os pedaços estejam misturados com a farinha. Não mexer demais - nesta altura devemos ter pedaços irregulares do tamanho de ervilhas. Pulsar de forma intermitente, acrescentando, gradualmente, 3 colheres de sopa de água gelada para a massa. Continuar a adicionar a água, um pouco de cada vez, pulsando, até que a massa fique uniforme (é possível que se notem alguns pedaços maiores de manteiga).

 

Deitar a massa sobre uma superfície enfarinhada, ou entre dois discos de papel vegetal, para formar uma base do tamanho indicado; enrolar o disco em película aderente e levar ao frigorífico por 20 minutos.

 

Retirar a parte superior de papel ou filme e deitar sobre a forma para forrar. Remover o resto do papel ou película e, em seguida, premir suavemente a massa de pão dentro da tarteira, para ficar sem bolsas de ar. Em seguida, pressionar os lados da massa para cima, contra os lados da forma. A massa vai plissando e pode até quebrar. Sem stress: basta pressionar para voltar a juntar. Levar ao frigorífico.

 

O que preparar para o recheio:

- 2-3 colheres sopa de geléia ou compota - usei marmelade

- 2 colheres sopa de bolacha triturada

- frutas de verão à escolha: 10 damascos, 8-10 nectarinas, 8 pêssegos maduros mas firmes, 8-10 ameixas firmes ou 2 pedaços de ruibarbo (ou uma mistura destes) - usei pêssegos, nectarinas e morangos.

- açúcar granulado para polvilhar

 

creme:

- 3 colheres sopa de manteiga sem sal, derretida e fria

- 1/3 medida de açúcar

- 1 ovo grande

- 1/4 colher chá de extracto de baunilha

- açúcar em pó para polvilhar

 

Como preparar: 

Centre uma grade no forno e pré-aqueça-o a 210ºC. Forre um tabuleiro com papel vegetal e reserve.

 

Estenda a massa de tarte entre dois pedaços de papel vegetal ou plástico, para ser mais fácil transferi-la para o tabuleiro. Alternativamente, faça-o numa superfície bem enfarinhada. 

Estenda a massa num círculo grande, com menos de 0,5cm de espessura. Com uma faca, apare o círculo até ficar com 33cm de diâmetro. Com uma forma redonda virada ao contrário, marque no centro da massa um círculo de 23cm de diâmetro, sem cortar - esta vai ser a área do recheio.

 

Com a parte de trás de uma colher ou uma pequena espátula, espalhe parte da compota/geléia no círculo marcado - a quantidade a usar vai depender de quanto quer dar à tarte o sabor da geléia. Polvilhe com a bolacha triturada - se achar que a sua fruta é muito sumarenta, use mais bolacha.( usei 5 bolachas Maria) Cubra esta base com película aderente e leve ao frigorífico enquanto prepara os restantes ingredientes.

 

Com um pano húmido, limpe bem os damascos, nectarinas ou ameixas. Corte-a ao meio e retire os caroços. Escalde os pêssegos por 10 segundos em água a ferver, transfira-os para uma tigela de água gelada e quando estiverem frios retire-lhes a pele. Corte-os ao meio e retire-lhes os caroços. Se usar ruibarbo, descasque-o com um descascador, para remover os fios, e corte-o em pedaços com 2,5-5cm.

Disponha a fruta sobre a base de massa, com o lado cortado voltado para baixo. Cuidadosamente, dobre as bordas de massa sobre a fruta assim disposta, acomodando as dobras de massa extra. Se não estiver com pressa, leve a tarte ao congelador por 15 minutos para deixar a massa descansar. Eu nunca retirei o papel vegetal debaixo da massa. Quando dobrei as pontas, estas foram acompanhadas com o papel indo para o forno assim. Aquele solta-se com o calor e facilita o trabalho de "moldagem" evitando que a massa se desmanche.

 

Pincele a massa levemente com água, polvilhe com açúcar granulado, 1-2 colheres de chá. Leve ao forno por 25 minutos ou até que a massa esteja dourada e a fruta esteja mole.

 

Creme: com um batedor de varas, bata a manteiga derretida, o açúcar, o ovo e a baunilha numa tigela. Reserve.

 

Retire o tabuleiro do forno (deixando-o ligado) e cuidadosamente verta o creme sobre a fruta. Dependendo da quantidade de sumo que tiver acumulado e do espaço que houver, pode não conseguir usar todo o creme. Não se preocupe, mesmo 2 colheres de sopa já conseguem o efeito pretendido. Deite o máximo de creme que conseguir e leve o tabuleiro novamente ao forno. Eu consegui deitar umas 4 colheres de sopa. Guardei o resto do creme para fazer nova tarte.

 

Asse por mais 12-15 minutos ou até que o creme solidifique - se abanar levemente o tabuleiro, o creme não deve tremer. Transfira o tabuleiro para uma grade e deixe arrefecer por 10 minutos.

Cuidadosamente, transfira a galette do tabuleiro para a grade para arrefecer completamente. Pode servi-la morna ou à temperatura ambiente. Polvilhe com açúcar em pó antes de servir.

publicado por Maria às 12:08
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
16
19
23
26
28
30
últ. comentários
No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fritas sã...
 No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fri...
Minha avó, que cresceu em Mogadouro, muitas vezes ...
pois ! No meu tempo (43/51, chumbei um ano), bat...
Ficou lindo, foi a minha inspiração para o almoço ...
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
blogs SAPO