Bem vindos à Oficina das Papitas. Este meu projecto, tem como principal objectivo ajudar os meus filhos que já não vivem comigo, mas que têm de cozinhar para si próprios. Espero assim poder ajudá-los. Tentarei fazê-lo com muito amor.
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

29
Mai
12

Vi esta receita num folheto do Pingo Doce e, pela sua frescura, facilidade de confecção e reduzida composição calórica, decidi fazê-la apenas com algumas nuances. Não me desiludiu.

 

O que preparar:

 

  1. 5 colheres bem cheias de iogurte grego natural;
  2. 3 folhas de gelatina;
  3. 250g de morangos;
  4. 3 colheres de mel;
  5. Sumo de 1 limão;
  6. Algumas folhas de hortelã;
  7. Meloa ou outra fruta qualquer para fazer as espetadas juntamente com os morangos.

 

Como preparar:

 

Bater levemente o iogurte. Colocar as folhas de gelatina em água fria e, passados 5’, escorrer a água e levar as folhas ao microondas na potência máxima durante 15’’. Misturar as folhas de gelatina no iogurte, misturar bem e verter o preparado em forminhas previamente molhadas. Partir metade dos morangos em pedaços pequenos e colocar no iogurte fazendo pressão com uma colher de forma a irem para a base. Levar ao frigorífico durante cerca de 2h ou até estarem bem firmes. Espetar os restantes morangos alternados com outra fruta ( eu usei meloa partida em quadradinhos), num pequeno espeto de madeira que poderão ser palitos.

 

Misturar o mel com o sumo de limão e as folhas de hortelã bem picadas e misturar bem.

 

Na altura de servir, descolar os pudins das formas com a ajuda de uma faca e desenformá-los para pratos. Colocar ao lado a espetada de fruta e regar com o molho de limão com mel e hortelã.

 

A quantidade que apresentei deu-me para 5 pudins. U_sei iogurte grego pois é o favorito cá em casa, porém poderá ser utilizado outro iogurte a gosto.

 

Mãos à obra.

 

publicado por Maria às 08:00
24
Mai
12

Ao longo de cerca de 5 ou 6 anos, o nosso almoço de sábado era realizado em família numa brasserie ali no Chiado, junto à Praça Camões, chamada La Brasserie de L’Entrecôte. Este restaurante inicialmente de proprietários belgas era de grande excelência quer na sala de refeição, quer no pessoal que servia quer no entrecôte servido com um molho de mostarda e ervas acompanhado com uma batatas fritas excepcionais. Serviam como entrada uma salada de folhas de alface com um molho de iogurte salpicada de nozes que era de uma singeleza sem par. As sobremesas eram várias, qualquer delas se poderia pedir sem arrependimentos.

 

Acontece porém que este espaço foi comprado pela Portugália, esta expandiu o restaurante noutros espaços como em Cascais, no Parque das Nações e na Foz do Porto e a qualidade começou a decrescer a pique. A salada começou a ser servida com uma mistura de rúcula e quase sem molho disposta no prato de uma forma negligente e grosseira, o entrecôte raramente é tenro como outrora, o molho reaquecido e as sobremesas foram alteradas de tal forma que a alusão às originais era só feita pelo nome em comum. E foi assim que deixámos de frequentar o nosso restaurante dos sábados que tanto gostávamos e que era conhecido entre nós pelo “batata carne” pois era assim que o meu fifi mais novo se lhe referia pois não conseguia pronunciar o nome francês.

 

Em nome dos velhos tempos e para recordar um restaurante que tantos gostámos e onde passámos momentos em família tão agradáveis, hoje trago a sobremesa que os meus filhos mais pediam. Fiz várias experiências e julgo que esta combinação é a que mais se aproxima do doce que eles tanto gostavam.Espero que os que agora estão longe apreciem e que matem as saudades ao saborear tão gostosa e fresca sobremesa.

 

O que preparar:

 

  1. 400g de morangos:
  2. ½ cálice de vinho do Porto;
  3. 2 colheres de sopa de sumo de limão;
  4. 2 colheres de sopa de açúcar;
  5. 2 colheres de sopa de açúcar gelificante.
  6. Sorvete de baunilha;
  7. 5 folhas de menta e mais algumas para enfeitar.

 

Como preparar:

 

No copo da Bimby, colocar os açúcares, o vinho do Porto, as folhas de menta e o sumo de limão e marcar 8’, veloc. 2, temp. 90. Ao fim deste tempo, juntar os morangos e marcar 10’, veloc. 2 temp. varoma. No final, marcar 25’’ na veloc 6.

 

Caso se faça da forma tradicional, os passos são os mesmos, sendo que o tempo para os líquidos estarem ao lume sobre para 15’ e o tempo do preparado estar ao lume já com os morangos mantêm-se. No final, triturar com varinha mágica.

 

Levar ao frigorífico e, quando estiver bem frio, servir em taças, com uma bola de sorvete e uma folhina de menta e enfeitar.

 

Mãos à obra.

 

 

 

Com esta receita participo no desafio do Fórum Bimby, cujo tema deste mês são os morangos.

 

 

 

publicado por Maria às 08:00
18
Mai
12

 

A origem do Pudim Flan remonta à época do Império Romano, tendo-se popularizado na Idade Média, sendo saboreado na Quaresma.

Pelo séc. VII, popularizou-se com o nome “flan” palavra derivada do alemão "flade" que significa bolo ou objecto plano.

Apesar de na sua origem ser polvilhado com pimenta, foi a partir desta altura que se substituiu a pimenta por açúcar.

Os seus ingredientes principais sempre foram os ovos e o leite. E é esta combinação que lhe dá a cremosidade que tanto o caracteriza.

Há quem o faça com algumas variações como iogurte, queijo creme ou, como foi o caso desta receita da Dorie, natas.

Este pudim sai-me sempre muito bem, feito da maneira tradicional, que é a que mais gosto. Fiquei bastante curiosa com a adição das natas e, por isso, não modifiquei, em nada, a receita.

Fiquei um pouco desiludida pois, com base nos resultados anteriores das receitas quinzenais, criei expectativas que foram logradas.

É um pudim cremoso, saboroso mas, como alguém que o fez também disse, é muito denso tornando-se por isso,e para mim, enjoativo.

Pela primeira vez desde que participo na Dorie às sextas, e entrei na 2ª edição sem ter falhado depois disso, nenhuma, não desapareceu num ápice e não repetirei a receita.

Mas pronto, não há bela sem senão e esta experiência não diminui nem um milímetro a óptima opinião que tenho acerca das receitas desta grande senhora que é a Dorie Greenspan .

Aqui vai a minha experiência desta quinzena.

 

 

Para o caramelo:

  1. 150g de açúcar;
  2. 0,5dl de água;
  3. 3 colheres de sopa de água tépida.

Colocar o açúcar juntamente com o 0,5 dl de água e levar ao lume. Mexer ocasionalmente com uma colher de pau e ter atenção à cor que se forma. Antes do ponto de caramelo, forma-se o ponto de areia que se vê nitidamente pois o açúcar cristaliza ligeiramente mas paredes do tacho. Nesta altura ficar com atenção pois, a partir daqui, forma-se o ponto de caramelo. A calda começa a escurecer, deitando um pouco de fumo. Quando atingir a cor âmbar, juntar as 3 colheres de água tépida, com cuidado pois o açúcar salpicará. Mexer mais uns 2 ou 3’ para a calda engrossar, e está pronto. Deitar na forma ou formas do pudim.

 

Para o flan

  1. 1½ cups natas gordas;
  2. 1¼ cups leite gordo;
  3. 3 ovos grandes;
  4. 2 gemas grandes;
  5. ½ cup açúcar;
  6. 1 colher de chá de extracto de baunilha;

 

Pré aquecer o forno a 180ºC com um tabuleiro dentro com água quente. Este tabuleiro servirá para cozer o pudim em banho Maria.

Ferver o leite e as natas.

Entretanto, misturar os ovos, as gemas e o açúcar. Bater vigorosamente durante um minuto ou dois, e, em seguida, misturar a baunilha. 

Deitar cerca de um quarto do líquido quente, mexendo sempre. Despejar, lentamente, o restante creme quente e leite. Retirar as bolhas e a espuma com uma colher.

Verter o pudim para a forma forrada de caramelo. Eu fiz em formas individuais.

Assar o pudim por cerca de 35 minutos, ou até dourar um pouco. (está pronto, quando, ao espetarmos uma faca no centro, a mesma sair limpa)

Retirar do forno para uma grelha e passar uma faca pelas laterais da forma.

Deixar arrefecer à temperatura ambiente e levar ao frigorífico por 4h.

Antes de desenformar, passar novamente a faca entre o pudim e a forma. 

Servir com natas batidas, bastante frias e amêndoa moída.

publicado por Maria às 08:00
15
Mai
12

Uma sobremesa muito fresca, vistosa e muito, muito boa. É muito fácil de preparar sendo que o único óbice é o facto de termos de ter alguma habilidade e paciência para cozer as placas de suspiro. Mas vale bem a pena esse pequeno esforço, acreditem.

O que preparar:

 

  1. 6 claras;
  2. 350g de açúcar em pó e mais algum para polvilhar;
  3. 0,5 Kg de morangos;
  4. 200ml de natas frescas;
  5. Óleo vegetal e papel vegetal qb.

 

 

 

Como preparar:

 

No copo da Bimby bem limpo e seco, e com a borboleta colocada, bater as claras em castelo firme e, quando formarem “picos”, deitar 4 colheres de sopa de açúcar em pó, continuando a bater até ficarem bem seguras e brilhantes ( normalmente faz-se drante 6' com a velocidade 3). Não colocar o copo medidor para entrar ar e as claras crescerem melhor.Misturar o restante açúcar em pó, mas desta feita, misturar com uma espátula de baixo para cima. Quem não tiver Bimby, poderá executar esta operação nma batedeira o mesmo à mão.

 

Untar papel vegetal, ao de leve, com óleo e polvilhar com açúcar em pó. Com um saco de pasteleiro, formar 3 rodelas com formato de pratos, sendo que uma deverá ser pequena, outra média e a outra grande. Fazer em volta um rebordo com biquinhos. Guardar um pouco de merengue ( umas 6 colheres de sopa). para misturar com o chantily que será feito com as natas frescas.

 

Levar as rodelas ao forno, que deverá estar com a temperatura muito baixa ( nunca superior a 70ºC). A função da ventoinha deverá estar desligada.

 

Deverá cozer em cerca de 1h30 mas poderá confirmar-se ao toque. Se estiverem sólidos, estão prontos.  Deixar arrefecer dentro do forno e depois, retirá-los com muito cuidado do papel vegetal.

 

Entretanto, bater as natas frescas juntando umas gotas de limão e 2 colheres de sopa de açúcar durante 2' na velocidade 4 se trabalhar na Bimby, ou até formar chatilly se se trabalhar com abtedeira ou se se bater à mão, até formar chantily. Misturar com o merengue reservado, com cuidado e sempre de baixo para cima.

 

Finalmente, montar o doce da seguinte forma:

 

Colocar sobre m prato a base maior do suspiro. Barrar abundantemente com chantily e dispor pos cima morangos lavados e cortados em quartos.

 

Colocar por cima a base média e proceder da mesma forma com o chantily e morangos. Finalmente, colocar a base mais pequena, barrar com chantily e decorar com morangos.

 

Levar ao frigorífico e servir bem fresco.

 

Mãos à obra. 

publicado por Maria às 08:00
10
Mai
12

Para um dia de Sol, para mim é perfeito, só poderia trazer uma sugestão perfeita.

 

Parfait é o nome deste doce que, com tão poucas calorias, consegue ser delicioso. Pode servir uma sobremesa, lanche ou mesmo um pequeno almoço. E é mesmo muito fácil de preparar. Espreitem:

 

O que preparar:

 

  1. 2 alperces;
  2. ½ manga;
  3. 1 pera;
  4. 8 morangos;
  5. 1 embalagem de mascarpone;
  6. 1 colher de chá de extracto de baunilha;
  7. 2 colheres de sopa de mel;
  8. 4 colheres de sopa de natas batidas;
  9. Fruto seco à escolha ( eu usei amêndoas)

 

Como preparar:

 

Partir a fruta em pedaços. A fruta que escolhi era a que tinha em casa. Poedrá ser feito também com morangos, figos, etc.

 

Numa tala, misturar bem o queijo marcarpone, o extracto de baunilha, o mel e misturar bem até ficar com a consistência parecida com o iogurte.

 

Bater as natas com umas gotas de limão e, quando estiverem espessas, juntá-las ao creme anterior.

 

Colocar as frutas partidas no findo de taças e cobri-las com o creme. Polvilhá-las com frutos secos grosseiramente triturados ( eu faço esta operação com a ajuda do rolo de massa), e deitar por cima mais um fio de mel para dar brilho.

 

Servir fresco.

 

Se se usar amêndoas ou avelãs, convém torrá-las ligeiramente numa frigideira, antes de as triturar. Ficam com um sabor mais acentuado o que marca alguma diferença.

 

Mãos à obra.

 

publicado por Maria às 08:00
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
últ. comentários
No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fritas sã...
 No Amarelo do Colégio Militar as Batatas Fri...
Minha avó, que cresceu em Mogadouro, muitas vezes ...
pois ! No meu tempo (43/51, chumbei um ano), bat...
Ficou lindo, foi a minha inspiração para o almoço ...
Parece impossível a sra classificar como peixe da ...
è um prato da minha infância, de que guardo record...
O que é maca?
Um correcçãoNão consigo recordar o ano mas seguram...
blogs SAPO